Com alta na gasolina, veja se abastecer com etanol vale a pena

Após mais um aumento no preço do litro da gasolina o etanol sempre aparece como alternativa; confira, em um cálculo básico, se essa medida vale a pena

Em tempo de mais um anúncio de alta na gasolina é preciso rever alguns conceitos para que reflita com a menor força possível nas finanças. Com veículos bicombustíveis (álcool e gasolina) é possível verificar se, dependendo do modelo e consumo, não seja mais vantajoso fazer a opção.

Abastecimento do carro: esse mal necessário, a cada alta, vale a pena conferir se compensa alternar entre etanol e gasolina. – Foto: Freepik/DivulgaçãoAbastecimento do carro: esse mal necessário, a cada alta, vale a pena conferir se compensa alternar entre etanol e gasolina. – Foto: Freepik/Divulgação

Em tempo de pandemia do novo coronavírus – não, a pandemia não terminou – as finanças são, cada vez mais, objeto de alerta independente da condição e classe social de cada um.

Conforme trazido em matéria, mais cedo pela reportagem do ND+, a alta de R$0,10 no preço do litro já está em vigor desde a última terça-feira.

Há quase 20 anos uma realidade no Brasil, os carros bicombustíveis oferecem a alternativa para que sejam abastecidos tanto a gasolina quanto a etanol. Foi em 2003 que o primeiro modelo nessa realidade ganhou as ruas no Brasil.

De forma geral, a eficiência do etanol é menor que a da gasolina, logo, é necessário queimar uma quantidade maior de etanol para ter a mesma eficiência econômica da gasolina.

Mas ainda há um cálculo básico para se descobrir sobre a rentabilidade de ambos: basta dividir o preço do litro do etanol pelo da gasolina. Se o resultado for inferior a 0,7, o álcool é o melhor para abastecer. Se for maior que 0,7,então, a gasolina é a mais vantajosa.

Outra maneira de elucidar a questão é projetar o litro do etanol até 70% do litro da gasolina para que seja benéfica a troca.

Postos sequer vendem o combustível vegetal

Em contato com alguns postos de Florianópolis e da região, algumas unidades, sequer vendem o combustível vegetal. Os empreendimentos que ainda resistem colocam um preço que gira em R$ 3,89.

Em Florianópolis, os postos ainda não atualizaram os valores impostos pela nova alta. Um estabelecimento localizado no Córrego Grande ainda registra a gasolina a 4,39, o valor mais em conta levantado.

+

Economia Brasileira