Engie Brasil Energia registra alta de 36,1% do Ebtida no segundo trimestre de 2020

Presidente Eduardo Sattamini indica quais fatores ajudaram no crescimento da empresa, mesmo em um ano conturbado por conta da pandemia

A Engie Brasil Energia, maior geradora privada de energia do Brasil, registrou um acréscimo de 36,1% no Ebitda no segundo trimestre de 2020, comparando com o mesmo trimestre de 2019, chegando no valor de R$ 1,4 bilhão, no período.

Engie Brasil Energia registra alta de 36,1% no segundo trimestre de 2020 – Foto: Divulgação/ND

Por conta disso, o presidente do grupo, Eduardo Sattamini, explicou quais os motivos que levaram a evolução dos lucros e crescimento da empresa neste período.

Entre eles, destaca-se o aumento do volume de vendas, motivada especialmente pela geração de energia agregada pela UTE Pampa Sul que entrou em operação comercial no ano passado.

Assim como da elevação do preço médio líquido de venda, pela contribuição via ganho de equivalência patrimonial sobre o lucro da TAG (Transportadora Associada de Gás S.A.), detentora da maior rede de transportadora de gás natural do Brasil, e da receita não recorrente resultante de ganho de ação judicial relativo à tributos federais.

Confira a entrevista na íntegra com o presidente Eduardo Sattamini:

A quem você atribui esse desempenho?

A empresa, como você sabe, é bastante conservadora e tende a estar com sua energia muito contratada e isso oferece uma certa estabilidade no seu faturamento. Então, isso é um dos principais fatores,obviamente não é só esse, ela também é, nos últimos anos, andou fazendo grandes investimentos e nós tivemos três grandes ativos que entraram em operação em 2019. No primeiro semestre, o Conjunto Eólico Umburanas, com cerca de 360 MVW e a usina da Pampa Sul, de carvão, no Rio Grande do Sul, e no final do primeiro semestre do ano passado a aquisição da TAG, onde adquirimos 29,25% que é a maior operadora de gasodutos do país.

Com isso, é uma empresa já operada pela Petrobras e que contribui fortemente para o nosso resultado. Então, esses três ativos foram muitos importante para que alcançarmos esse pulo de performance. Obviamente alguns outros fatores como recuperação de impostos, que foram feitos a nível da TAG e isso é esforço da área jurídica e fiscal. Em outros, na nossa carga fiscal, nós tivemos também o aumento do preço médio, contratos quase  todos eles ligados em inflação e o efeito inflacionário nos preços de contrato.

Também um elemento muito importante, nós alavancamos mais a empresa nos últimos anos, ou seja, tomamos um volume maior de dívida para embasar nosso crescimento forte. Isso é feito com base na dívida e nós tivemos uma redução de inflação e taxas de juros no custo de capital caiu, melhorando o resultado financeiro. Esses foram os principais fatores que levaram a empresa para esse resultado tão significativo e tão superior ao do ano passado.

Você está na companhia desde janeiro de 2010, quando assumiu a diretoria financeira e relação de investidores e para então a Tractebel Energia, hoje, Engie Brasil Energia. Em junho de 2016, ou seja, há quatro anos, você assumiu a presidência da empresa. O que mudou neste período?

Bom, em primeiro lugar, temos que ressaltar que a gestão anterior era de excelência e entregou a empresa muito boa, com performance excelente e pouco alavancada, o nível de endividamento era muito baixo. No segundo trimestre de 2016, no fim do segundo trimestre, em junho, a alavancagem da empresa era de R$1,2 bilhão de dívida liquida, apenas.

Ela tinha 0,4 vezes da relação entre dívida líquida e Ebtida. Então, isso era realmente uma estrutura de capital que consideramos não eficiente então, baseamos o crescimento da companhia no aumento do endividamento. Só para ter ideia, agora no segundo trimestre de 2020, terminamos com uma dívida total de quase R$ 11 bilhões, ou seja, quase 10 vezes a dívida que tínhamos com uma relação de dívida liquida e Ebtida de menos de 2 vezes.

Bom, a dívida em si, não é importante, né. O importante é o que ela está trazendo. Nós tivemos um crescimento do lucro do final de 2016 para 2019 de 50%, ou seja, passamos de R$ 1,5 bilhão para R$ 2,3 bilhões de lucro no final de 2019.

Agora, estamos em um movimento de crescimento em função da entrega dos novos ativos que estão dando a Companhia e nós teremos, se comparar o crescimento do segundo trimestre, algo em torno de 34%, se tirar alguns elementos não recorrentes, como recuperação de imposto que não é recorrente é um esforço peculiar, a gente estaria com algo em torno de 22% de Ebtida de 2019 para 2020.

Nossa estratégia de crescimento em investimentos rentáveis, que está fazendo com que a gente tenha uma situação diferenciada. Mas não é só isso, a gente passou de uma empresa pura geradora para uma empresa em investimento em infraestrutura de energia.

De 2016 para cá nós investimos em linhas de transmissão, com a linha de transmissão de Gralha Azul.

Ou seja, estamos formando um portfólio de linhas de transmissão, nós investimos em transporte de gás e isso está fazendo que a empresa torne um perfil mais resiliente, com atividades um pouco mais diversificadas.

Também emponderamos mais as pessoas, fazendo uma estrutura um pouco mais centralizada, onde as pessoas têm mais autonomia e isso é fruto da nossa digitalização e empoderamento aos nossos colaboradores e são fatores que mudam um pouco a cara da Companhia.

Gerir uma empresa com as características da Engie Brasil Energia é um desafio em qualquer circunstância, principalmente agora com uma crise dessa magnitude. Quais foram as ações implementadas na Companhia para o enfrentamento dessa pandemia?

Bom, nossa primeira preocupação foi baseada  em três pilares. A primeira é a segurança dos nossos colaboradores, a segurança da operação dos nosso ativos, afinal de contas, energia é um bem essencial para a sociedade moderna, e também a garantia de liquidez da nossa Comapnhia.

Então, esses foram os fatores principais. Para garantir a saúde e operação, nós definimos protocolos de saúde, fizemos investimentos de equipamentos de proteção individual, lançamos o home office onde desde o primeiro dia tivemos uma performance excelente, uma produtividade acima do esperado onde todos os colaboradores estavam super engajados neste projeto.

Isso também foi fruto da nossa estratégia que desde 2017 estávamos investindo fortemente na área de tecnologia, na área da informação e digitalização dos processos da Companhia. Nós estamos com a Companhia em uma situação que já não flui mais papel na Companhia, ou seja, facilitou muito adotar o home office sem grandes problemas de produtividade.

Além disso, tivemos um segundo momento que preocupamos em preservar nossos clientes e a nossa operação. A preservação dos nossos clientes passou por uma análise muito minuciosa daqueles clientes que estavam com um pouco mais de dificuldade em função da pandemia.

Empresas e indústrias ou segmentos que tinham sido fechados e que a gente precisaria monitorar de alguma maneira mais proximamente para  não gerar perdas para a Companhia e também para preservar a saúde daqueles fornecedores. Fizemos algumas negociações postergando alguns vencimentos de fatura e sempre respeitando os contratos, isso é um mantra para a gente o importante é respeitar os contratos. Com isso conseguimos uma solução onde a empresa não perdeu e nossos clientes ficaram felizes e mantivemos uma relação de longo prazo, o que é fundamental.

Recentemente, você foi eleito um dos melhores CEOs da América Latina no ranking de melhores executivos, divulgado pela revista Institutional Investor, publicação internacional, que é referência no mercado financeiro do país. Trata-se de um dos mais respeitados prêmios de mercados capitais, tanto no Brasil como no exterior. Qual o significado desse reconhecimento?

Isso é um reconhecimento para toda a Companhia, para os colaboradores, controladores e para a qualidade do serviço que prestamos aos nossos investidores.

Isso é importante porque nos mostra que todo o esforço que fazemos sobre melhoria operacional e de governança, ele acaba voltando para nós.

Na verdade o meu papel é orquestrar, ajudar e apoiar. Mas é um trabalho de toda a Companhia e todos os colaboradores e inclusive do nosso controlador.

+

Economia Brasileira