A atuação das engenharias química e de alimentos durante a pandemia

A atuação das engenharias química e de alimentos está ligada a serviços essenciais para a garantia da proteção e qualidade de vida durante a pandemia

O setor é o que mais gera empregos na indústria de transformação do Brasil, com 1,68 milhão de empregos diretos – Foto: DivulgaçãoO setor é o que mais gera empregos na indústria de transformação do Brasil, com 1,68 milhão de empregos diretos – Foto: Divulgação

De forma macro podemos enxergar a engenharia química em quase tudo que está em nosso cotidiano, dos diversos produtos utilizados no dia a dia aos fármacos empregados na produção de vacinas, o setor e profissionais envolvidos nesta área foram e seguem sendo fundamentais no enfrentamento da Covid-19. Indústrias como a petroquímica, papel e celulose, cerâmica, biotecnologia ou a de alimentos, permaneceram em plena atividade, aliando-se a novas tecnologias e desenvolvendo produtos para atender às necessidades da sociedade.

O setor e profissionais envolvidos nesta área foram e seguem sendo fundamentais no enfrentamento da Covid-19 – Foto: DivulgaçãoO setor e profissionais envolvidos nesta área foram e seguem sendo fundamentais no enfrentamento da Covid-19 – Foto: Divulgação

Os profissionais da engenharia química, por exemplo, foram responsáveis pela descoberta de novos polímeros para produção de face-shields, tubos de exames, seringas e espessantes para a produção de álcool em gel, e seguem na busca por fármacos e vacinas apropriadas para o combate ao novo vírus e suas variantes.

Em outra ponta a engenharia de alimentos esteve sustentando a economia nacional, sendo responsável pelas técnicas e os conhecimentos usados na fabricação, conservação, armazenamentos e no transporte de alimentos industrializados. Mesmo com os impactos impostos pela pandemia, como a falta de insumos, o setor, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), registrou crescimento de 12,8% em faturamento no ano de 2020, em relação a 2019, atingindo R$ 789,2 bilhões, somadas exportações e vendas para o mercado interno.

Em relação à geração de empregos foram ofertadas 20 mil novas vagas diretas, alta de 1,2% em relação a 2019. O setor é o que mais gera empregos na indústria de transformação do Brasil, com 1,68 milhão de empregos diretos.

O setor registrou crescimento de 12,8% em faturamento no ano de 2020 – Foto: DivulgaçãoO setor registrou crescimento de 12,8% em faturamento no ano de 2020 – Foto: Divulgação

A reação do setor da indústria alimentícia para 2021 está atrelada ao avanço do programa de imunização e o recuo na média diária de novos casos de Covid-19, o que possibilita a retomada do processo de recuperação iniciado no último trimestre de 2020, impactando em todos os setores econômicos, gerando empregos e levando as pessoas, gradualmente, à normalidade de consumo.

+

Crea SC

Loading...