Conheça os planos da Fiesc para o Moinho Joinville

Serão R$ 100 milhões em investimentos por parte da Fiesc, que adquiriu prédio histórico em 2018 e já tem data para início das obras

O prédio histórico Moinho Joinville tem um destino certo. A Fiesc, dona do imóvel desde 2018,  projeta investir R$ 100 milhões. O projeto tramita na Prefeitura Municipal e a entidade segue atendendo às exigências para a aprovação.

Moinho JoinvilleNos últimos anos, diversas soluções já foram pensadas para o empreendimento, como a criação de um complexo cultural. – Foto: Foto: André Kopsch

A expectativa é dar início às obras no segundo semestre de 2021, informou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar.

“A Prefeitura de Joinville fez uma série de exigências que estamos cumprindo e, tão logo seja aprovado o projeto, nós vamos partir para os projetos complementares e dar início à licitação da obra. O estudo de impacto de vizinhança já foi protocolado. Nossa expectativa é iniciar as obras no segundo semestre de 2021 e entregar a primeira etapa em no máximo um ano e meio”, comenta Aguiar.

A construção está prevista em duas etapas. A primeira compreende um bloco voltado totalmente à educação, além de áreas de lazer e esportes. A segunda etapa é uma nova edificação, que será construída quando houver demanda.

“Estamos avaliando ainda a recuperação do Moinho porque estamos recebendo diversas propostas para a restauração do espaço que será aberto ao público, com acesso pela rua lateral”, complementa o presidente da Fiesc.

A partir do início das obras, a conclusão das novas edificações e restauração deve durar cerca de 18 meses.

O Moinho Joinville foi construído em 1913 com algumas ampliações no decorrer dos anos. O prédio histórico estava desativado desde 2013 e desde então diversas soluções já foram pensadas para o empreendimento, como a criação de um complexo cultural.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Economia SC