Cultivos de ostras e mexilhões são interditados na Grande Florianópolis; saiba onde

Em algumas localidades, os moluscos foram proibidos de ser comercializados pela segunda vez em menos de um mês

Cultivos de moluscos em bairros dos municípios de Florianópolis e Palhoça foram interditados na tarde desta sexta-feira (30), devido à alta concentração da ficotoxina Ácido Okadaico nos animais. A ação foi feita pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural.

Os bairros afetados em Florianópolis são os do Cacupé, Santo Antônio de Lisboa, Caieira da Barra do Sul e Taperinha do Ribeirão. Já em Palhoça, foram interditados os bairros da Praia do Pontal e da Praia do Cedro.

Criação de moluscos é interditada em bairros da Grande Florianópolis – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/Reprodução/NDCriação de moluscos é interditada em bairros da Grande Florianópolis – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/Reprodução/ND

Nos locais, foi proibida a retirada e comercialização de ostras e mexilhões, bem como os seus derivados, inclusive nos costões e nas beiras de praias.

Essa é a segunda vez em menos de um mês que a Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) realizou a fiscalização e interditou ambos os bairros de Palhoça.

A ação é necessária quando a concentração de ficotoxina Ácido Okadaico está acima dos limites permitidos dentro desses cultivos. Ao ser consumida pelos seres humanos, a substância pode causar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia.

A Cidasc intensificou as coletas de amostras dessa substância a fim de manter um monitoramento rigoroso nas áreas de produção interditadas e seus arredores. Os resultados das análises obtidas vão definir pela liberação ou pela manutenção dos locais interditados. A abertura dos cultivos só é dada após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.

Cultivos em Sambaqui e na Praia do Forte são liberados

Na última segunda-feira (26), o cultivo de moluscos nas localidades da Praia do Forte e Sambaqui, em Florianópolis, foi interditado. Nesta sexta, as localidades foram liberadas após passarem por exames determinantes para saber se há a presença ou não das toxinas nos locais.

Interdições parciais

Outros bairros de municípios da Grande Florianópolis, por sua vez, possuem seus cultivos parcialmente interditados após apresentarem resultados acima do limite para as contagens de Escherichia coli (E. coli).

Nessas localidades, está autorizada somente a retirada e comercialização de ostras.

Confira quais são os municípios e seus respectivos bairros:

  • Em São José: áreas de Serraria, Barreiros e Ponta de Baixo;
  • Em Biguaçu: os bairros de São Miguel e Tijuquinhas;
  • Em Palhoça: a Barra do Aririú;
  • Em Porto Belo: as localidades de Perequê, Ilha João da Cunha e Araçá.

Monitoramento constante

Santa Catarina é o único estado do país que monitora permanentemente suas áreas de cultivo de moluscos.

O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos, criado pelo Governo de Santa Catarina, é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, que permite maior segurança para os produtores e consumidores.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Economia SC

Loading...