Em meio ao cenário global de pandemia, Nova Engevix aposta em saneamento básico

A crise mundial gerada pela Covid-19 enfatiza os riscos e danos associados à falta de saneamento básico, mas também revela oportunidades para empresas com “know-how” no segmento

Estação de tratamento de Esgoto da Capital: a Nova Engevix executou o projeto executivo, gerenciamento, fiscalização e apoio técnico aos serviços – Divulgação/ND

A pandemia do novo coronavírus mostrou o paradoxo entre a exigência de que a população lave suas mãos constantemente como medida de higiene, frente a ausência de água tratada em milhares de residências, impossibilitando que muitos brasileiros possam seguir essa simples recomendação para prevenção da doença.

Segundo números do Instituto Trata Brasil – organização sem fins lucrativos que acompanha os avanços de saneamento básico e a proteção dos recursos hídricos no Brasil –  há quase 35 milhões de brasileiros sem acesso ao serviço básico de saneamento. Apenas 22 municípios, entre as 100 maiores cidades do país, possuem 100% da população atendida com água potável. A população de Santa Catarina possui condição privilegiada no que se refere ao abastecimento de água, onde a cobertura chega a 98% das casas. Entretanto, quando se fala em tratamento de esgoto, o cenário ainda é bastante deficitário, abrangendo apenas 28% da população.

Em casos como esse, as parcerias público-privadas são importantes para atender princípios que busquem sustentabilidade, eficiência, economicidade e inovação. E é nesse cenário de déficit nacional que a empresa Nova Engevix, criada em 1965, prevê investimentos. A corporação já realizou diversos contratos para companhias de água e esgoto em todo o Brasil e atualmente conta com vários projetos na área de saneamento, mais especificamente na área de coleta e tratamento de esgoto sanitário e de sistemas de abastecimento de água. Na carteira, trabalhos realizados para a SABESP, SANEPAR, CASAN, BRK Ambiental, CEDAE/RJ, COPASA/MG, CERB/BA, SANESUL/MS, SANEMAT/MT, CAESB/DF, CESAN/ES e diversos outros Serviços Municipais de Água e Esgoto.

Na primeira fase das obras da ETE de Florianópoolis, 150 mil habitantes foram beneficiados. Na segunda, esse número foi de 225 mil  – Divulgação/ND

Obras de saneamento

Atualmente, a empresa está executando trabalhos para a CASAN – Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, com serviços técnicos especializados de consultoria para a fiscalização e supervisão de obras de implantação de sistemas de esgoto sanitário nos municípios catarinenses de Chapecó, Criciúma, Curitibanos, Piratuba e Rio do Sul. Também merece destaque um estudo de porte inédito no Brasil que a empresa de engenharia vem realizando para a CORSAN (Companhia Rio Grandense de Saneamento), visando garantir segurança hídrica para a população de 18 municípios gaúchos, desde a captação de água bruta até os consumidores finais, além de contratos com a SEMASA Itajaí, SANEPAR e SABESP.

A maior cidade de Santa Catarina também não fica de fora da cartela de clientes da Nova Engevix. A CAJ (Companhia Águas de Joinville) está realizando investimentos para ampliação da cobertura de esgoto em Joinville e a empresa ficará responsável pela revisão do projeto executivo e pela execução das obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgotos – ETE Vila Nova, que já possui 93km de redes de esgoto implantadas.

Obras de porte como as de saneamento compulsam o surgimento de empresas fortes, com expertise e especializadas para cooperar com a esfera pública, com o intuito de estabelecer metas para a universalização e profissionalização dos serviços. Somando forças, a aprovação pelo Senado do novo marco regulatório do saneamento básico já é um caminho de esperança para o Brasil pós-pandemia. O projeto de lei dará segurança jurídica e atrairá investimentos do setor privado, com aporte que gira em torno de R$ 500 bilhões e R$ 700 bilhões. A meta é atingir a universalização de água e esgoto tratado no Brasil até 2033.

+

Aniversário ND