Maricultores de Florianópolis recebem aval para cultivo de macroalgas

Concessão foi dada pelo IMA (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina) e vale por quatro anos; confira onde a matéria-prima pode ser usada e o quanto pode render para os maricultores

O IMA (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina) concedeu licença ambiental de operação para cultivo da macroalga em Florianópolis. A autorização, que é considerada histórica, é válida por quatro anos e promete representar mais uma importante fonte de renda para maricultores do Estado.

Cultivo da alga foi autorizado e aval já é considerado histórico – Foto: Epagri/Ciram/divulgaçãoCultivo da alga foi autorizado e aval já é considerado histórico – Foto: Epagri/Ciram/divulgação

O aval concedido pelo IMA ao Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) foi oficializado nesta quinta-feira (12) e foi direcionado a maricultores estabelecidos no Sul da Ilha, no local denominado como Parque Aquícola 5. O IMA ainda lembra que, quem tiver o interesse e se enquadrar nos padrões impostos, pode fazer a solicitação.

A macroalga Kappaphycus alvarezii pode representar uma importante fonte de renda para os profissionais. Ela produz a chamada carragenana, usada como espessante pelas indústrias químicas e alimentícias.

Só em 2015 o Brasil importou 1.836 toneladas do produto, ao custo de US$16 milhões. Também está em franco crescimento a produção de biofertilizante a partir desta matéria-prima, pagando ao produtor entre R$ 3,00 e R$ 5,00 o quilo de alga fresca.

A autorização é válida por quatro anos, período em que o maricultor deverá realizar o monitoramento ambiental e enviar um relatório anual ao IMA.

“É um momento histórico de um planejamento que se iniciou em 2006”, resumiu Alex Alves dos Santos, pesquisador do Centro de Desenvolvimento em Aquicultura e Pesca da Epagri.

“Agora, qualquer maricultor que estiver localizado neste parque aquícola pode pedir autorização ao Mapa para cultivar a macroalga.”

Parque Aquícola

O parque está localizado em Florianópolis, na Baía Sul e compreende as costas dos bairros Caieira da Barra do Sul, Ribeirão da Ilha e Tapera.

Cultivo está liberado em Florianópolis; aval é para um parque aquícola, inicialmente – Foto: Epagri/Ciram/divulgaçãoCultivo está liberado em Florianópolis; aval é para um parque aquícola, inicialmente – Foto: Epagri/Ciram/divulgação

Abrange 106 áreas aquícolas e 104 produtores. Sete áreas manifestaram interesse em cultivar a macroalga. A capacidade produtiva estimada é de 38,4 a 64 toneladas por hectare a cada ciclo de cultivo. Estudos apontam a possibilidade de acontecerem entre três e cinco ciclos anuais.

Alex explicou que Santa Catarina conta com 21 parque aquícolas. Agora o trabalho continua para liberação do cultivo da macroalga nas 20 áreas ainda não contempladas.

“O caminho é longo, mas temos que comemorar a autorização recebida para segundo maior parque aquícola do estado”, disse o pesquisador.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Economia SC

Loading...