Moisés discute alternativas para o setor de eventos em SC

Governo do Estado se reuniu com representantes da Abrape em encontro online na tarde desta terça (16); confira o que foi acordado

Os desafios e alternativas para auxiliar o setor de eventos de Santa Catarina diante da pandemia da Covid-19 foram abordados em uma reunião online nesta terça-feira (16) entre o governador Carlos Moisés, representantes da Abrape (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos), secretários e outras autoridades.

Em Santa Catarina, o segmento conta com 3.951 empresas e 5.327 empregos diretos, conforme dados de 2019.

Carlos Moisés em reunião com representantes do setor de eventos em SC – Foto: Divulgação/SecomCarlos Moisés em reunião com representantes do setor de eventos em SC – Foto: Divulgação/Secom

Dentre as demandas do setor estão a ampliação e adequação de linhas de crédito adaptadas à realidade do mercado, programa de incentivo à cultura e isenções de taxas para garantir a sobrevivência das empresas.

Por sugestão do governador Carlos Moisés, um grupo de trabalho com equipes do Governo, Alesc (Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina) e do trade de eventos será criado para acompanhar o andamento de ações para atender as necessidades do setor.

Importância do diálogo

No encontro virtual, o governador reconheceu a importância do segmento e de manter o diálogo, além de reforçar o compromisso do Governo do Estado em auxiliar o segmento.

Carlos Moisés destacou ainda que o Executivo, mesmo antes da pandemia, já vinha trabalhando em medidas como a Lei de Incentivo à Cultura, a elaboração da Lei de Patrocínio e em outras frentes para o desenvolvimento da área de eventos e turismo.

“O nosso compromisso é avançar no que podemos melhorar e ser resolutivo para restabelecer o mais breve possível as condições de trabalho. Nosso esforço é para que todos os setores se desenvolvam, mesmo em um período de tantos desafios”, disse o governador.

Retorno ao trabalho

O presidente da Abrape nacional, Doreni Caramori, pontuou que o desejo do setor não era estar discutindo a sobrevivência das empresas, e sim o retorno ao trabalho.

“As condições não permitem voltarmos neste momento. A nossa vontade de trabalhar é muito grande, estamos parados há 12 meses. O que pedimos é a sensibilidade para a sobrevivência do segmento. O desafio é manter as empresas vivas para quando pudermos voltar a trabalhar estarmos preparados”, relatou.

Ele ainda enalteceu a vanguarda de Santa Catarina com a permissão, mesmo parcial, de algumas atividades ligadas ao setor nos meses que foi possível.

Programas do governo

O secretário da Fazenda, Paulo Eli, destacou os programas do governo para apoio às empresas em linhas de créditos com Badesc e BRDE, além do Juro Zero.

“Hoje avançamos em algumas demandas que beneficiarão o setor. Sabemos das necessidades que enfrentam e da cadeia de trabalho que está por trás de todo o segmento.

Reunião online foi realizada na tarde desta terça-feira (13) – Foto: Divulgação/SecomReunião online foi realizada na tarde desta terça-feira (13) – Foto: Divulgação/Secom

Vamos, em conjunto, buscar soluções e ajudar esse setor que é responsável por mais de cinco mil empregos diretos em Santa Catarina e por mais de 4,5% do PIB do país”, salientou o presidente da Alesc, Mauro de Nadal, que também participou do encontro.

Entre os participantes da reunião também estavam o subchefe da Casa Civil, Juliano Chiodelli, o presidente da Santur, Leandro Mané Ferrari, o secretário da Saúde, André Motta Ribeiro, o senador Dário Berger, a presidente da Abrape/SC, Eveline Orth, o presidente da Federação dos Convention & Visitors Bureau de Santa Catarina e representante do Conselho Estadual de Turismo no setor de eventos, Marco Aurélio Floriani, e representantes do setor de eventos de várias regiões do Estado.

+

Economia SC