Preço da gasolina sobe em vários postos de Florianópolis

Aumento de 8,2% autorizado pela Petrobras faz com que motoristas circulem por estabelecimentos à procura de preços mais baratos ou promoções

Motorista, prepare o bolso. O reajuste de 8,2% no preço da gasolina anunciado pela Petrobras teve reflexos nos postos de combustível de Florianópolis. A gasolina já chega a R$ 4,99 em alguns estabelecimentos.

Os preços do diesel e do gás de cozinha (GLP) vendidos às refinarias, também sofreram novos reajustes.

Reajuste no preço da gasolina já começa a ser sentido pelo consumidor – Foto: Bruna Stroisch/NDReajuste no preço da gasolina já começa a ser sentido pelo consumidor – Foto: Bruna Stroisch/ND

Trata-se do sétimo aumento seguido – o terceiro somente em 2021 – promovido pela Petrobras no valor da gasolina. Já o preço do diesel emplaca uma sequência de seis altas consecutivas.

Impacto em todos os setores

Os reajustes passaram a valer a partir da meia-noite desta terça-feira (9). Pela manhã, placas de “promoção” afixadas em alguns postos de combustível tentavam atrair motoristas com valores reduzidos para pagamento no dinheiro ou no débito.

Em um estabelecimento localizado na esquina da Rua Heitor Luz com a Avenida Mauro Ramos, no Centro da Capital, o preço praticado é de R$ 4,99. Quem paga no débito ou dinheiro desembolsa R$ 4,79 por litro.

Para o vidraceiro Edimar Alves Dias, de 45 anos, o jeito é rodar atrás de preços mais em conta.

Ele diz que deixou de abastecer no posto de costume, no Continente, por conta do valor praticado, que está em R$ 4,84 por litro. Dias se deslocou até a região Central em busca de preços menores.

“É uma forma de evitar já repassar o custo para os meus clientes. Presto serviço de vidraceiro e circulo bastante com o carro. Sem dúvida, vai chegar o dia que eu vou ter que repassar esse custo para não trabalhar no ‘vermelho’. O reajuste afeta todos os setores, todo mundo depende do transporte”, diz Edimar.

Fuga dos preços altos

A mesma estratégia para tentar fugir dos preços altos foi adotada por João José Sabino. Ele conta que no município de Biguaçu, aonde mora, o preço da gasolina nos postos chega a R$ 4,70.

Foi preciso enfrentar uma fila de veículos em um estabelecimento na Avenida Mauro Ramos para conseguir abastecer a R$ 4,30.

“O bolso não está preparado, mas, infelizmente, não tem o que fazer. O negócio é aproveitar alguns postos que ainda não aumentaram o preço ou estão com promoção”, sugere Sabino.

Fila de veículos em posto de combustível da Avenida Mauro Ramos – Foto: Bruna Stroisch/NDFila de veículos em posto de combustível da Avenida Mauro Ramos – Foto: Bruna Stroisch/ND

Kelly Formigoni também preferiu enfrentar uma fila a abastecer em um estabelecimento mais caro. Ela destaca ainda a disparidade nos preços praticados pelos municípios catarinenses.

“Eu não entendo porque a gasolina em Florianópolis é tão cara. Em outros municípios da região, não é tão absurdo. A cada 15 dias eu viajo para o Sul do Estado e prefiro encher o tanque por lá. É mais em conta”, defende.

O morador de Belo Horizonte (MG), Pablo Dias Oliveira se preparava para abastecer em um posto localizado na Avenida Paulo Fontes, no Centro, com o valor de R$ 4,49. Ele diz que até tentou encontrar valores mais em conta pela cidade, mas se preocupa com a procedência e a qualidade da gasolina oferecida.

João José Sabino conta que em Biguaçu, aonde mora, o preço da gasolina nos postos já chega a R$ 4,70 – Foto: Bruna Stroisch/NDJoão José Sabino conta que em Biguaçu, aonde mora, o preço da gasolina nos postos já chega a R$ 4,70 – Foto: Bruna Stroisch/ND

“A gente tenta encontrar preços mais baratos, mas tem que ver se os postos são confiáveis. Às vezes ir só pelo preço não vale a pena. O valor pode ser barato, mas a gasolina não tem qualidade”, destaca.

Carro só em últimos casos

Carlos Augusto Pagani Fonseca conta que desde que se mudou para perto do local de trabalho, o carro tem sido cada vez menos utilizado. Ele chegou a vender um dos dois carros que tinha justamente para fugir dos custos de manutenção e combustível.

Contudo, uma viagem marcada para esta sexta-feira (12) levou Fonseca a abastecer o veículo em um posto de combustível localizado na esquina da Rua Crispim Mira com a Avenida Mauro Ramos.

Um dos funcionários informou que, com o novo reajuste, o valor da gasolina no estabelecimento passou de R$ 4,31 para R$ 4,69.

“Quando estava chegando ao posto já fiquei assustado com o preço. Deixei de usar o carro no dia a dia por causa da manutenção e do valor da gasolina. Antes, eu gastava R$ 150 para encher um tanque, agora já passa de R$ 200”, conta.

Carlos Augusto Pagani Fonseca conta que desde que se mudou para perto do local de trabalho, o carro tem sido cada vez menos utilizado – Foto: Bruna Stroisch/NDCarlos Augusto Pagani Fonseca conta que desde que se mudou para perto do local de trabalho, o carro tem sido cada vez menos utilizado – Foto: Bruna Stroisch/ND

Aumento nos preços

Em nota, a Petrobras informou que o preço médio de venda da gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará a ser de R$ 2,25 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,17 por litro no preço de venda.

Por sua vez, o preço médio de venda de diesel passará a ser de R$ 2,24 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,13 por litro (alta de 5,6%).

“Já o preço médio de venda de GLP [Gás Liquefeito de Petróleo] Petrobras para as distribuidoras passará a ser de R$ 2,91 por kg (equivalente a R$ 37,83 por 13 kg), aumento médio de R$ 0,14 por kg (equivalente a R$ 1,82 por 13 kg)”, complementou a estatal na nota.

Confira os reajustes:

  • Gasolina: passou de R$ 2,08 para R$ 2,25, alta de 8,2%
  • Diesel: passou de R$ 2,11 para R$ 2,24, alta de 5,6%
  • GLP: alta de 5%.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Economia SC