Quatro a cada dez pequenos comerciantes tem expectativa de aumento nas vendas

Pesquisa feita pelo Sebrae aponta otimismo até setembro, que deve ter recuperação parcial das demissões e aumentar os investimentos na retomada

Uma pesquisa do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) apontou que a expectativa dos pequenos empresários de Santa Catarina é que as vendas aumentem de julho a setembro.

Foram 45,4% dos entrevistados, de um total de 810 Micro e Pequenas Empresas catarinenses, que apresentaram essa expectativa, ante aos 10,6% do ano passado.

“Esse otimismo quanto aos resultados nos negócios, está refletido no salto de 4,3% para 44,7% que acreditam na melhora da situação econômica do Brasil, e dos investimentos feitos para poderem manter seus negócios abertos em tempos de pandemia”, afirma o coordenador da pesquisa, Cláudio Ferreira.

Quatro a cada dez pequenos comerciantes tem expectativa de aumento nas vendas – Foto: Anderson Coelho/NDQuatro a cada dez pequenos comerciantes tem expectativa de aumento nas vendas – Foto: Anderson Coelho/ND

Nos últimos cinco anos, esse foi o maior impacto registrado, com 71,6% das empresas apontando quedas nas vendas com relação ao trimestre anterior.

Com isso, mais da metade (50,8%) apontaram prejuízos, sendo o comércio o setor mais afetado, com 57,2% de prejuízo. Ainda 40,1% mantiveram o empreendimento estável, sem lucros ou perdas, e somente 9,1% citaram ter lucros.

A pesquisa foi realizada de 1º a 17 de julho, e apontou que ao menos 70% dos pequenos negócios sofrem mudanças nesse contexto de pandemia.

Quem tem lucro, tem site

Segundo o órgão, a expansão do e-commerce, ou vendas pela internet, foram o fator categórico para as 9,1% de empresas que apresentaram um lucro nesse último trimestre.

“Muitas empresas buscaram na rede online uma saída para vender seus produtos, ou, aqueles que já utilizavam a internet para esta funcionalidade, aproveitaram para ampliar o uso das ferramentas online. As empresas com venda pela internet registraram 17,2% de aumento de venda, e as que não usam o canal não obtiveram nenhum aumento”, afirma Ferreira.

Os dados apontam um crescimento de 42,5% para 71,6% do setor no Instagram, e também de 44,7% para 59,4% no Facebook. Apesar disso, o índice das vendas ainda é baixo, 45,8% menor do que no mesmo período de 2019.

Redução de custos

Foram 35,2% das empresas em relação ao trimestre anterior que afirmaram reduzir os custos e despesas, o maior número também em cinco anos.

“Independente do porte da empresa, essa redução de custos aconteceu com maior intensidade, para o período. Ela acabou sendo impulsionada por uma sequência de ações por conta da pandemia, como a redução de compras e de estoques, demissões, renegociações de despesas e apoios governamentais”, explica Ferreira.

Investimentos também tiveram queda: 89,8% dos empresários não investiram neste último semestre, mas o número é maior do que o esperado, em torno de 9,4%.

Além disso, 17,7% dos pequenos negócios devem investir no próximo semestre. Os mais almejados são: estoque (26,8%), marketing (24,6%), vendas por redes sociais, sites, internet (18,3%) e tele-entrega (10,6%). Esse cenário mais expansionista traz também expectativa de aumento de custos, que atingirá 63,3% dos pequenos negócios.

Mais investimentos, mais empregos

Durante a pandemia, houve queda de cerca de 6,5% de empregados, mas a previsão é que no final de setembro essa situação seja revertida. Porém, só em partes: há expectativa de 1,34% a mais de empregados nos pequenos negócios.

+

Economia SC