Saiba onde a cesta básica está mais barata em Blumenau

Variação no valor dos itens de primeira necessidade pode chegar a 25%. Pesquisa do Procon consultou nove supermercados da cidade

Um levantamento feito pelo Procon revelou que a variação no preço da cesta básica pode chegar a 25% nos supermercados em Blumenau. Foram comparados 13 produtos que compõem o grupo dos itens de primeira necessidade. Segundo a pesquisa, o valor da cesta básica pode variar de R$51,90 à R$69,65.

Variação no preço da cesta básica pode chegar a 25% em Blumenau – Foto: Reprodução / NDTV Blumenau

Os fiscais do órgão estiveram em nove estabelecimentos da cidade durante as primeiras semanas de agosto. Diante da diferença, a recomendação para economizar é fazer a boa e velha pesquisa de preços. O coordenador do Procon de Blumenau, André Moura da Cunha, orienta os consumidores a optarem por itens mais baratos, principalmente neste momento em que os produtos alimentícios tiveram uma disparada no preço.

Cunha também alerta para que o consumidor compre apenas a quantidade necessária e não faça estoques. “Quanto mais o consumidor compra, mais os preços aumentam. É a lei da oferta e demanda”, explica o coordenador.

Confira a lista com os valores da cesta básica nos supermercados de Blumenau divulgada pelo Procon:

  • Bistek: R$51,90
  • Angeloni: R$56,50
  • Giassi: R$56,50
  • Carol: R$57,63
  • Top/Galegão: R$59,90
  • Cooper: R$59,98
  • Ferreira: R$61,92
  • Hanes: R$62,75
  • Unidos: R$69,65

Associações supermercadistas notificadas

Ainda no mês de agosto o Procon de Blumenau notificou a Acats (Associação Catarinense de Supermercados) e a Adac (Associação de Distribuidores e Atacadistas Catarinenses), para apresentarem justificativa dos aumentos repentinos dos alimentos que compõem a cesta básica.

A Acats alegou que não possui poder para interferir no preço cobrado pelos associados. Por meio de um ofício assinado pelo presidente, Paulo César Lopes, a entidade informou que “não tem por prática estabelecer com seus associados qualquer conduta de ajuste de preços de produtos, nem mesmo daqueles que compõem a cesta básica”.

A Adac, por sua vez, disse que não representa a categoria. “Logo, a entidade não atua de forma alguma na definição de política comercial em relação aos preços praticados pelas empresas no mercado”. A nota diz ainda que a associação está sensibilizada com os impactos causados pela crise do coronavírus.

+

Economia SC