Sicoob cresce em associados, ativos e aposta na tecnologia

Entidade destaca a importância do modelo do cooperativismo para a economia

Sicoob SC/RS é o segundo maior financiador de crédito rural em Santa Catarina – Foto: Sicoob SC/RSSicoob SC/RS é o segundo maior financiador de crédito rural em Santa Catarina – Foto: Sicoob SC/RS

Ao oferecer as vantagens e benefícios das tecnologias de ponta, produtos, serviços e facilidades disponibilizados por qualquer Instituição financeira do país, mas com foco no trabalho em conjunto, na economia compartilhada, no atendimento humanizado e nos benefícios revertidos à própria comunidade, o cooperativismo ganhou espaço em Santa Catarina e no país.

Com mais de 1,2 milhão de associados, o Sicoob SC/RS mostra que, nos últimos 15 anos, esse crescimento ocorreu de forma significativa. No período, a entidade aumentou o número de ativos a cada ano e, desde 2020, amplia a expansão no Rio Grande do Sul. O Sicoob SC/RS é o segundo maior financiador de crédito rural em Santa Catarina e, em 2020, o sistema cresceu 46% em operações gerais de crédito, 51% em depósitos e 26% em patrimônio líquido.

A diretora de Operações da entidade, Maria Luisa Lasarim, destaca a autorização, pelo Banco Central, ocorrida em 2013, para o sistema cooperativo de crédito atuar em regime de livre admissão, como um fator que marcou esse desenvolvimento.

Diretora de Operações, Maria Luisa Lasarim – Foto: Sicoob em Perspectiva 2020/José SomensiDiretora de Operações, Maria Luisa Lasarim – Foto: Sicoob em Perspectiva 2020/José Somensi

“Foi um divisor de águas, pois antes nós tínhamos cooperativas segmentadas, em sua maioria, ou seja, um grupo de um setor da sociedade se reunia, criava sua cooperativa e trabalhava só para aquele segmento, por exemplo. A partir dessa possibilidade que o BC abriu, as cooperativas passaram a captar associados de todos os segmentos da sociedade e isso, então, proporcionou um crescimento muito grande, que a gente percebe até hoje, inclusive ultrapassando a marca de 1,2 milhão de cooperados”, afirma.

Atualmente, segundo a diretora, das 38 cooperativas que atuam no Sistema Sicoob Santa Catarina e Rio Grande do Sul, 32 são de livre admissão.

Hoje, em SC, o Sicoob está em 272 cidades, o que representa 92% dos municípios catarinenses. No Estado e no RS, a capilaridade é de 561 agências e 6.400 funcionários.

Benefícios para o Estado

Com todas as ações, o objetivo do Sicoob, acrescenta a diretora de Operações, é promover justiça financeira e prosperidade, tanto para os cooperados, quanto para as regiões onde eles vivem.

“Cada cooperativa atua em uma determinada área de municípios. Todos os recursos captados por essas cooperativas são investidos na própria comunidade. Isso movimenta a economia, gera emprego e renda”, esclarece.

No cooperativismo, ela explica, os resultados, que seriam denominados lucros nos bancos, são chamados de sobras. No Sicoob, apenas no último ano, foram gerados R$ 590 milhões em sobras. “Esse montante tem a destinação decidida pelos associados em assembleia. Ao longo dos anos, os associados têm atingido uma maturidade grande e entendido que as sobras precisam ser integralizadas ou mantidas em fundos, na cooperativa, para fortalecer a instituição que, desta forma, consegue atender as necessidades do quadro social”, esclarece Maria Luisa.

Mudanças no associativismo

Maria Luisa lembra que a abertura para o regime de livre admissão também se reverteu em ganhos para o próprio cooperativismo. “O sistema se estruturou internamente com ações administrativas, operacionais e uma incorporação bem robusta de tecnologia de última geração, para fazer frente a toda essa demanda de novos cooperados que passamos a ter”, diz.

A diretora acrescenta que, hoje, mais de 85% de todas as transações do Sicoob são feitas por meio das plataformas virtuais, pelo internet banking, pelo aplicativo da entidade e pelo mobile banking. “O nosso aplicativo é muito bem avaliado e mais de 50% das transações dos nossos cooperados já são realizadas pelo mobile banking”, reforça ela.

Planos de expansão e crescimento

No Rio Grande do Sul, os planos são para se fazer presente, nos próximos anos, em todos os municípios com mais de 20 mil habitantes. “Trabalhamos fortemente neste sentido, de expandir as atividades, principalmente no estado gaúcho, onde atuamos há menos tempo. Também pretendemos continuar crescendo em número de associados e de ativos”, diz a diretora de Operações.

Em relação ao associativismo, ela reforça a importância do modelo que o cooperativismo representa, de trabalhar junto ao cooperado. “A aposta é em tecnologia de ponta, com menor custo e maior qualidade de produtos e serviços, sem perder a essência do segmento, que é estar próximo às pessoas, oferecendo, também o atendimento humanizado. Ao mesmo tempo em que oferecemos os mesmos produtos e inovações de um banco, temos inúmeras vantagens. Por trabalharmos com taxas de juros e tarifas mais acessíveis, em 2020, cada associado obteve, em média, uma economia de R$ 2,3 mil em despesas financeiras, apenas em taxas de juros e tarifas”, finaliza Maria Luisa Lasarim.

+

Especial ND 15+15

Loading...