Bolsonaro estuda volta de imposto nos moldes do CPMF

"Todas as alternativas estão na mesa", afirmou o presidente. No entanto, só aceitaria criar um imposto se outro tributo for extinto

O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou nesta segunda-feira, 16, que “todas as alternativas estão na mesa”, quando questionado sobre possível volta de um imposto sobre transações financeiras, similarmente com a extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).

Presidente Jair Bolsonaro conversa com a imprensa em frente ao Palacio da Alvorada – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/NDPresidente Jair Bolsonaro conversa com a imprensa em frente ao Palacio da Alvorada – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/ND

O governo, no entanto, só aceitaria criar um imposto se outro tributo for extinto, disse o presidente.

“Nós não queremos criar nenhum novo tributo. A não ser que seja para extinguir outros e, assim mesmo, colocado junto à sociedade, para ver qual a reação da sociedade, a gente vai levar adiante essa proposta ou não.”

Bolsonaro afirmou ainda, que “nada vai ser feito” se o governo tentar tirar do papel uma reforma tributária “ampla, geral e irrestrita”, que mexa em impostos federais, dos Estados e dos municípios.

Ademais, o presidente declarou que usa o termo “simplificação de impostos”, em vez de reforma tributária em conversas com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Se nós quisermos fazer uma reforma tributária ampla, geral e irrestrita, envolvendo os Poderes, né, Executivo Federal, (tributos) estaduais e municipais, não vai ser feito nada”.

“Tenho falado com Paulo Guedes (a) palavra simplificação de imposto. E focar nos impostos federais”, disse Bolsonaro.

Leia também

As afirmações de Bolsonaro foram feitas após reunião do presidente com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Bolsonaro disse a jornalistas que conversará com Guedes antes de definir a data para envio do projeto sobre “simplificação de impostos”.

“Ele (Guedes) é o dono da máquina nesse sentido”, apontou.

Loading...