Consumidor deixa compras de Páscoa para última hora e enfrenta filas no comércio

Em Joinville chegaram a faltar ovos de Páscoa de algumas marcas nesta quinta-feira (5/4/12) devido à demanda

Luciano Moraes/ND

Consumidor joinvilense enfrentou filas nas lojas e congestionamento no trânsito nesta quinta-feira

Como em todos os anos, o joinvilense deixou as compras da Páscoa também para a última hora. O resultado são filas, correria e falta de alguns produtos e marcas específicas. A busca pelos ovos de chocolate deve seguir até amanhã, quando os supermercados liquidam as últimas unidades do estoque.
Quem ainda precisa fazer compras pode aproveitar a Sexta-Feira Santa, pois todos os grandes supermercados estarão abertos. No domingo, quem ainda não comprou, corre o risco de ficar sem, pois a maior parte dos supermercados recolhe os ovos que sobram para devolver aos fornecedores. “Os consumidores sempre deixam para a última hora, mas neste ano deixaram para os últimos minutos. As compras estão muito concentradas nesses últimos quatro dias. Se alguém deixar para o domingo, vai ficar sem”, alerta Aldemir de Souza, gerente da Havan Joinville.
A rede prevê aumento de 40% nas vendas deste ano. A unidade joinvilense disponibilizou cerca de 30 toneladas para atender aos clientes nesta Páscoa. Nesta quinta-feira, a demanda era tão grande que os repositores das várias marcas não venciam abastecer os varais e prateleiras.
A dona de casa Elvira Miranda, 59 anos, comprou parte dos presentes quando a situação ainda estava tranquila no comércio, mas faltaram alguns e ela teve que enfrentar as filas ontem. Elvira gastou em torno de R$ 150 este ano e não vai deixar nenhum dos cinco filhos e seis netos sem a cesta de Páscoa. “Em nossa casa, o coelho sempre esconde as cestas para depois cada um procurar a sua. É uma tradição a caça aos ovos”, conta.

Peixarias lotadas

A espera para comprar os peixes para esta Sexta-Feira Santa foi grande. Filas gigantescas, organizadas somente por senhas, se formaram nas principais peixarias da cidade. No Comércio de Pescados Classe A, localizado no Mercado Público de Joinville, as vendas dessa Semana Santa devem alcançar 50 toneladas, contra as 42 vendidas no mesmo período de 2011. Para atender a este aumento de quase 20% na demanda, dez funcionários temporários foram contratados.
Os produtos mais procurados são: bacalhau, tainha, filés, camarão, salmão, marisco, lula e polvo. O camarão é o mais atrativo por causa do preço, que está metade do normalmente praticado. Algumas peixarias vão aproveitar o momento e devem funcionar hoje e amanhã. “Essa é a melhor época para vendas, por isso temos que aproveitar”, comemora o sócio-proprietário do Comércio Classe A, Ronaldo Teixeira.
O aposentado João Justino Marcelino Furtado, 79 anos, e a esposa Carmen Budal Furtado, 75, devem preparar mais de seis quilos de peixes nesta Sexta-Feira Santa. Além de peixes como o paru e a corvina, ontem eles compraram cerca de três quilos de camarão para aproveitar o preço. “Vamos receber alguns familiares e comemorar à tradição católica, trocando a carne pelos peixes e frutos do mar”, explica.

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Economia