Designer talentoso

Jader Almeida aos 33 conquista vários prêmios e torna-se referência internacional no design

Mariana Boro/Divulgação

Sollos e Jader Almeida são nossas coisas, são coisas nossas

A história da Sollos tem dez anos. Mesma idade da parceria com o talentoso Jader Almeida. É a integração entre o processo industrial e a criatividade artesanal. Talento, arte e tecnologia de produção industrial unem-se em simbiose inusitada, surpreendente. Atinge em cheio o coração de bom gosto.

O talento de Jader Almeida para o design é algo que vem de dentro, desde criança e o resultado desse amor pela arte chama-se reconhecimento. Nacional e internacional. Jader é hoje uma das principais referências em designers de interior, habitat, como ele mesmo ressalta, em todo o mundo.

Trabalhar cedo, não tira pedaço. Ensina. Como aconteceu com Jader, desde os 15 anos envolvido com processos e produtos industriais. O talento nato aliado ao conhecimento do trabalho fez de Jader um apaixonado pelo que faz. A faculdade de arquitetura e urbanismo deu o norte que faltava a este chapecoense que mantém escritório em Florianópolis e por aqui pretende ficar enquanto der. É que o principal mercado de Jader Almeida está no eixo Rio-São Paulo e no exterior.

Conversamos na sua volta de São Paulo onde organizou e participou de uma exposição internacional em lugar nobre da capital paulista. Está de saída para Milão onde seus serviços estão sendo os mais comentados e procurados em função de seu trabalho diferenciado que rendeu vários prêmios e matérias em revistas especializadas de todo o mundo.

Crê que a competitividade industrial deve ser um processo de gestão integrada entre os diversos setores industriais, desde a compra da matéria prima, passando pela transformação, desaguando no pós-venda. O design deve ser integrado ao processo como elemento diferencial. “O que importa é o todo integrado. Forma de se ganhar competitividade internacional”, explica Jader.

“Penso no produto como coadjuvante do espaço”. A frase de Jader Almeida sintetiza que o ambiente é o plano principal de partida, de onde surgem as ideias do modelo e funcionalidade para atender a rotina da vida.

A Sollos é administrada pelos irmãos Claudio e João Frank. Jader Almeida é diretor de criação, alma da empresa, que tem fábrica na cidade de Princesa, Oeste do Estado.

A Sollos e Jader Almeida são nossas coisas, são coisas nossas.

Morador de rua

TCC de Izidro Tomás Nunes, com orientação do professor de economia João Sanson, mostra que cada emprego gerado nas cidades desloca três pessoas que vivem no campo. Se 100 empregos são gerados, migram 300 pessoas. Para onde vão as 200 excedentes? O que aqui é problema, no campo é solução. Faltam braços para o trabalho rural. Falta política pública de fixação do homem à sua terra natal. Ciência não é para acumular poeira na biblioteca da universidade. Mas, para servir de base a programas de governo.

50 anos

Milagre econômico? Cicatriz na alma.

Pagou o café

Professor da USJ Renato Brittes, eleito por esmagadora maioria, coordenador do curso de ciências contábeis promete preparar os alunos para a vida sem deixar de seguir o regulamento universitário. Seu programa de elaboração da declaração do Imposto de Renda por alunos, gratuitamente, com supervisão dele próprio, é apenas uma mostra do que vem por aí, assegura.

Marco

Divulgação

Visita do arcebispo de Florianópolis, dom Wilson Tadeu Jönck, à reunião de diretoria da Fiesc, reveste-se de importância ímpar. Muito mais do que ter sido a primeira vez que o arcebispo da Capital lá esteve, representa aprofundamento da humanização nas relações trabalhistas por meio da Campanha da Fraternidade. Empresários revelaram-se parceiros na mensagem sobre mercado de tráfico humano em quatro vertentes que envergonham os brasileiros: prostituição, escravidão trabalhista, tráfico de órgãos de crianças e adolescentes e adoções inescrupulosas.

Loading...