Em live, Bolsonaro diz que veta prorrogação de auxílio se parcela for de R$ 600

Presidente afirmou que consenso com a equipe econômica é de ter mais duas parcelas, mas com valor menor

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (11), durante sua live nas redes sociais, que vetará a prorrogação do auxílio emergencial, caso o Congresso Nacional mantenha o valor atual das parcelas, de R$ 600.

Bolsonaro fez uma live na noite da quinta-feira (11)- Foto: Reprodução/Facebook/NDBolsonaro fez uma live na noite da quinta-feira (11)- Foto: Reprodução/Facebook/ND

Bolsonaro disse que a decisão tomada em consenso com a equipe econômica é manter mais duas parcelas do benefício, mas com o valor menor. “Se chegar duas parcelas de R$ 300 e a Câmara quiser passar para R$ 400, R$ 500, ou voltar para R$ 600, qual vai ser a minha decisão para que o Brasil não quebre? Se pagar, vamos ter uma dívida cada vez mais impagável. É o veto”, explicou o presidente.

Segundo ele, o gasto total por causa das ações para o combate ao coronavírus, incluindo saúde, rolagem de dívida, ajuda a estados e municípios e programas de auxílio emergencial e para empresas, deve chegar a R$ 1 trilhão. Só as três parcelas do auxílio emergencial previstas em lei chegam a R$ 150 bilhões.

Leia também:

“O consenso com a equipe econômica é prorrogar mais duas parcelas, mas não seria de R$ 600, porque não podemos gastar mais R$ 100 bilhões. Se endividarmos muito, a gente extrapola nossa capacidade de endividamento. Se não tivermos cuidado, a taxa Selic pode voltar a subir, ou seja, se o Brasil quebrar, não tem para ninguém.”

O Ministério da Economia propôs pagar duas parcelas adicionais de R$ 300 cada uma, mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu a manutenção dos R$ 600 mensais.

+ Economia