Empresa de calçados emite aviso prévio para mais de 2 mil funcionários em São João Batista

No fim de março, mais de 1,2 mil funcionários das indústrias calçadistas já haviam sido demitidos pelo fechamentos das fábricas

A crise causada por conta do coronavírus atingiu em cheio diversos setores de Santa Catarina. Um deles, que fomenta a economia de várias cidades do Estado, é o calçadista. O isolamento social decretado para frear o contágio da Covid-19 levou uma das maiores empresas deste segmento a conceder aviso prévio a todos os funcionários em São João Batista. 

O objetivo, segundo o Grupo Suzana Santos, foi “resguardar o bem-estar e a segurança de todos”, além de assegurar os direitos trabalhistas. Conforme a demanda de mercado, a direção disse que espera retomar as atividades. Mais de 2 mil funcionários receberam a comunicação. 

Foto: Grupo Suzana Santos/Reprodução Redes Sociais/ND

No fim de março, mais de 1,2 mil funcionários das indústrias calçadistas de São João Batista já haviam sido demitidos pelo fechamentos das fábricas. Segundo o Sincasjb (Sindicato das Indústrias de Calçados de São João Batista), o prejuízo foi de R$ 2 milhões.

Com 25 anos de mercado e com filiais em outros estados, é a primeira vez que a empresa passa por uma reestruturação. Um vídeo divulgado nas redes sociais, o diretor do Grupo, Almir Santos Junior, aparece falando para mais de 200 servidores sobre a decisão. 

De acordo com a assessoria do sindicato, o vídeo foi gravado em 7 de abril na Bahia, na pátio de uma das filiais da empresa. “É um momento muito difícil, pessoal”, disse o diretor durante o comunicado. Veja: 

Leia também:

Procurado pela reportagem, o presidente do Sincasjb, que é proprietário do Grupo Suzana Santos, não quis comentar o assunto. O sindicato emitiu apenas um comunicado sobre a situação de toda a cadeia calçadista. 

Em nota, o Sincasjb afirma que as indústrias retornaram na terça-feira (7) e já sentiram o impacto da crise. “Ainda é cedo para avaliar os prejuízos, mas sabe-se que se o varejo permanecer fechado no país e mundo, a indústria sentirá ainda mais o impacto negativo”. 

Cidade de pouco mais de 37 mil habitantes segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), São João Batista não tem nenhum caso confirmado da doença. O município é o quarto maior polo de produção de calçados do Brasil. 

Comunicado do Grupo Suzana Santos:

O Grupo S. Santos, há 25 anos no mercado produzindo as marcas Suzana Santos, Renata Mello, Patrícia Lopes e Azillê, vem esclarecer a todos que, diante da atual situação vivenciada pela pandemia do Covid-19, e em virtude da paralisação do comércio nacional e internacional, optou pela difícil decisão de momentaneamente reduzir o quadro de colaboradores, como medida emergencial. 

Nosso objetivo é resguardar o bem-estar e segurança de todos, de forma que todos os direitos trabalhistas serão cumpridos em sua integralidade, e conforme a demanda do merca, esperamos em breve continuar nossas atividades em sua total capacidade produtiva.

Toda a carteira de pedidos será cumprida e, conforme a demanda do varejo, estamos  ajustando nossa equipe industrial. Nesse momento difícil, precisamos estar unidos e seguimos firmes e trabalhando para continuarmos escrevendo nossa história juntos. 

Nossa gratidão aos nossos colaboradores, clientes e a todos os parceiros. 

Comunicado do Sindicato: 

As indústrias retornaram na terça-feira, 7, e os impactos já foram sentidos em muitas empresas. O Sincasjb ainda está em busca de um levantamento junto às empresas associadas para saber como foi a reação durante o retorno. Ainda é cedo para avaliar os prejuízos, mas sabe-se que se o varejo permanecer fechado no país e mundo, a indústria sentirá ainda mais o impacto negativo.

A entidade, neste momento, está em busca de apoio à classe empresarial, e tudo que estiver ao alcance será feito para amenizar o cenário da crise econômica.

+

Economia