Joesley Batista é liberado para trabalhar nas empresas do grupo J&F

Empresário havia sido proibido de trabalhar por medida cautelar após ser alvo de escândalo envolvendo ex-presidente Michel Temer

Depois de três anos afastado por determinação judicial, o empresário Joesley Batista já pode voltar a trabalhar nas empresas do grupo J&F – entre elas, o frigorífico JBS, o banco Original e a Eldorado Celulose. Nesta terça-feira (26), a 6ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) liberou por unanimidade o empresário para funções executivas nas empresas do grupo. “Seria de todo conveniente que essas empresas tivessem a sua participação”, disse o ministro relator Rogerio Schietti.

Empresário Joesley Batista foi liberado para trabalhar funções executivas nas empresas do grupo – Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil/Divulgação/NDEmpresário Joesley Batista foi liberado para trabalhar funções executivas nas empresas do grupo – Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil/Divulgação/ND

Desde 2017, Joesley havia sido proibido de trabalhar nas empresas por medida cautelar. “A possibilidade do retorno vem ao encontro do cumprimento do acordo de valor astronômico, que foi mencionado, e que portanto recomenda que as empresas sejam plenamente administradas”, afirmou o ministro.

Leia também:

Em março de 2017, o empresário foi alvo de um escândalo envolvendo o então presidente Michel Temer (PMDB), após gravar uma conversa privada com o sucessor de Dilma Rousseff (PT) no Palácio do Jaburu. Divulgado dois meses depois, o áudio de 39 minutos mudou articulações do Governo Federal e tornou Temer o primeiro presidente investigado durante o exercício do mandato

Para Schietti, “não se justifica manter a proibição de participar direta, ou por interposta pessoa, de operações no mercado financeiro, e de ocupar cargos ou funções nas pessoas jurídicas”.

Segundo o ministro, a decisão pela liberação de Joesley Batista está embasada em três fatos principais: cumprimento de regras de compliance, a colaboração e o acordo de leniência no valor de R$ 10,3 bilhões, “que convenhamos, não é uma meta fácil de atingir e exige, portanto, um empenho máximo das empresas para produzir esse capital”, afirmou.

+

Economia