Se você vai completar 60 anos, fique de olho nos aumentos das mensalidades dos planos de saúde

Justiça tem anulado aumentos abusivos

Planos de Saúde

Em e-mail à coluna, o advogado Rodrigo Salles esclarece uma demanda recorrente dos que estão perto de completar 60 anos.  Os planos de saúde não podem reajustar, de modo abusivo, as mensalidades em razão da mudança de faixa etária do filiado. Esse é o entendimento reiterado no Superior Tribunal de Justiça e no Tribunal de Justiça de Santa Catarina, o qual está amparado no Estatuto do Idoso e no Código de Defesa do Consumidor. Porém, nem todo reajuste que se baseie em mudança de faixa etária é considerado, automaticamente, abusivo ou ilegal, mas somente aqueles desarrazoados e discriminativos que impedirem a permanência do consumidor no plano de saúde, afirma o advogado.

Educação Financeira

O presidente em exercício da OAB e candidato à sucessão, Márcio Vicari, quer dinamizar o programa Laboratório de Economia Pessoal em conjunto com o Corecon (Conselho Regional de Economia). O Corecon ajuda a organizar as finanças pessoais de quem tem renda até três salários mínimos, sem custo. À OAB caberia sanar as demandas judiciais desses consumidores.

Bolsa Família

O Maranhão possui a maior proporção da população atendida pelo programa: 51%. No outro extremo, está o Estado de Santa Catarina com 7%, seguido do DF (8%), SP (9%), RS (11%) e PR (12%). A economia diversificada e espalhada em pequenos e produtivos empreendimentos, a educação do povo e ainda a administração pública, nos últimos dois anos eleita por duas vezes consecutivas a melhor do Brasil pela Confederação Nacional dos Municípios, explicam grande parte do resultado. O espírito empreendedor do povo herdado dos colonizadores europeus contribui, decisivamente, para esse indicador.

Crédito

No governo FHC chegou a 25% do PIB. No final do governo Lula atingiu quase 50%. Com as medidas recém-adotadas pelo governo Dilma deve permanecer por aí, podendo crescer ainda mais. O problema não é o crédito, mas a falta de gestão pessoal que só se consegue com uma boa cultura de poupança para diminuir a inadimplência, o popular calote. Quem deve enfrenta restrições no cadastro pessoal e situações de conflito familiar.

Resolução 72

Como comentamos aqui, era inevitável sua aprovação. Dentre as medidas compensatórias, agora ganha mais força a renegociação da dívida com a União em bases mais condizentes com a realidade dos estados. É fundamental para que não caiam ainda mais os investimentos em SC.

Marco Santiago/ND

Armazém Vieira, Wolfgang Schrader e Renato Bollo são nossas coisas, são coisas nossas

Coisas nossas

Armazém Vieira – História secular

Em 1840, a casa hoje tombada do conhecido bar e cachaçaria era um entreposto comercial. Abastecia os navios que por aqui passavam na rota para o Pacifico. Naquela época, o então Desterro rivalizava com Paraty, RJ, como grande produtor de Cachaça. Quando em 1985, o alemão naturalizado brasileiro Wolfgang Schrader e o chileno Renato Bollo, ambos na época engenheiros da Eletrosul, resolveram revitalizar a cachaçaria, não imaginavam que o empreendimento se tornaria um tradicional e bem frequentado bar da cidade.

A primeira providência foi contratar o compositor Luis Henrique Rosa para ser o gerente. Na inauguração, os amigos do artista lotaram o Armazém Vieira. A morte prematura do cantor e compositor desfalcou o bar de seu principal colaborador. Contudo, nos poucos meses em que ali ficou, Luiz Henrique Rosa conseguiu reunir muita gente que se tornou cativa e até hoje frequenta o local junto com os filhos crescidos e adultos. O bar caiu no gosto do povo local e a fama da cachaça ultrapassou fronteiras. Seis anos após inaugurarem o bar, os engenheiros deixaram a Eletrosul.

O Armazém Vieira foi palco do encontro de vários casais atestam os proprietários. A Ministra Ideli Salvatti e o marido ali estiveram várias vezes e a Deputada Estadual Ângela Albino também engrenou seu casamento nas mesas do bar. Certa vez, uma promoção reuniu 75 casais que ali se conheceram, namoraram e depois casaram. “Uma ocasião, o ex-Ministro Pedro Malan em visita à Florianópolis e há oito anos sem sair à noite devido aos seus compromissos aportou no bar levando a tiracolo esposa, filha adolescente e o filho de oito anos. A filha se encantou com o músico da banda e o filho, cansado, dormiu nas cadeiras do bar. É que Malan gostou tanto que só saiu quando o dia amanhecia”, conta Schrader.

O Armazém Vieira, Wolfgang Schrader e Renato Bollo são nossas coisas, são coisas nossas.