Karina Manarin

Com foco em notícias de política, o blog traz todos os dias também as informações do cotidiano e que interferem diretamente na vida das pessoas de todo o Sul Catarinense.


A surreal situação do curso de medicina da UFSC em Araranguá

É absolutamente surreal a situação do curso de medicina em Araranguá, com a possibilidade de paralisação por falta de professores e técnicos

Quem acompanhou a luta pela implantação do curso de medicina da Universidade Federal de Santa Catarina em Araranguá sabe o quanto, depois da batalha vencida, é surreal a situação atual, com possibilidade de parar por falta de professores.

O fato foi motivo inclusive de uma “Notícia de Irregularidades”  protocolada no Ministério Público Federal em razão da situação em Araranguá e da ausência de aulas presenciais, outra vergonhosa situação já que a maioria da população segue suas atividades respeitando os cuidados em razão da pandemia de Covid-19, enquanto na UFSC, as aulas são virtuais.

Curso de Medicina iniciou em 2018 no campus da UFSC de Araranguá, no Sul de SC – Foto: Divulgação/UFSC/NDCurso de Medicina iniciou em 2018 no campus da UFSC de Araranguá, no Sul de SC – Foto: Divulgação/UFSC/ND

Quanto a questão específica de Araranguá, é impressionante que desde a implantação do curso, em 2018, não se tenha alcançado o número de professores e técnicos necessários para o funcionamento, e que se chegue ao ponto de os alunos da sétima fase estarem ameaçados de não  continuar o curso por falta de profissionais.

Isso quer dizer que não haverá condições nem mesmo para as aulas virtuais que a universidade adotou em razão da pandemia, apesar de termos por toda Santa Catarina crianças de ensino fundamental  frequentando aulas presenciais.

Neste imbróglio, a universidade transfere a culpa para o Ministério de Educação, que devolve na mesma intensidade a acusação, alegando que nenhum pedido de novas vagas para professores e técnicos foi solicitada.

Enquanto isso, os alunos, que realizaram o sonho de ingressar em uma universidade pública para cursar medicina, tão necessária, principalmente em tempos de pandemia, convivem com a insegurança.

Não ter aulas presenciais na UFSC já é uma vergonha e vergonha dobrada é a possibilidade de fechamento de um curso que teve a mobilização de todo o Sul para sua concretização.

Loading...