Busca por profissionais da saúde especializados cresce na pandemia

Alta demanda reflete em maior número de registros profissionais e grande procura por cursos de especialização

A pandemia do novo coronavírus expôs a necessidade crescente de equipes de saúde aptas a atuar no atendimento de urgência e emergência em centros de alta complexidade, como os CTIs (Centros de Tratamento Intensivo) e UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). Desde o começo da pandemia, mais profissionais de saúde de diversas especialidades estão sendo convocados em concursos públicos e hospitais públicos e privados vêm contratando até emergencialmente.

Mas o avanço da disseminação do vírus acentuou também algo que já vinha ocorrendo mesmo antes da pandemia, que é a busca por profissionais versáteis e altamente capacitados, prontos para atuar em diferentes áreas de acordo com o cenário, dentro e fora dos hospitais. Também em áreas como psicologia e fisioterapia o aumento da demanda por mais profissionais é evidente.

Pandemia aumenta demanda por enfermeiros especialistas e capacitados &#8211; <span style="font-weight: 400;">Foto: iStock/ND</span>Pandemia aumenta demanda por enfermeiros especialistas e capacitados – Foto: iStock/ND

Dados do Coren-SC (Conselho Regional de Enfermagem de Santa Catarina) mostram que o número de registros de profissionais no Estado (que permite o exercício legal da profissão) já vinha crescendo, e aumentou com a pandemia. De 2018 para 2019 foram 3.900 novos registros (incluindo técnicos, enfermeiros e auxiliares), e de 2019 para 2020 foram 4.870 profissionais registrados. Até 31 de maio de 2021, já foram computados 2.133 novos registros em Santa Catarina.

Qualificação x salários atrativos 

Com demanda populacional crescente e várias oportunidades de emprego, dificilmente um profissional do ramo fica desempregado. A capacitação contínua também favorece uma melhoria na condição financeira e maior poder de negociação em questões salariais. Porém, a categoria ainda necessita de um salário atrativo e compatível com sua qualificação e os conhecimentos adquiridos através de especializações, mestrados e doutorados.

Acompanhando essa necessidade, o poder público brasileiro tenta aprovar um piso salarial para enfermeiros e parteiras por meio do PL 2.564/2020 que tramita no Senado. O projeto fixa o piso salarial nacional em R$ 7.315 para enfermeiros e valores proporcionais para as demais categorias: 70% (R$ 5.120) para os técnicos de enfermagem e 50% (R$ 3.657) para os auxiliares de enfermagem e as parteiras.

Também prevê, após alterações do texto original, uma jornada normal de trabalho não superior a 30 horas semanais, sendo que a compensação de horários e a redução da jornada podem ocorrer por acordo ou convenção coletiva. Caso seja aprovada, a lei entrará em vigor no primeiro dia do ano seguinte ao de sua publicação.

<span style="font-weight: 400;">Capacitação garante qualidade no atendimento aos pacientes &#8211; Foto: iStock/ND</span>Capacitação garante qualidade no atendimento aos pacientes – Foto: iStock/ND

Enquanto a lei não é aprovada, municípios e Estados se mobilizam criando propostas de gratificação salarial para funcionários da saúde. Em Garopaba, a Câmara de Vereadores aprovou o PL Complementar 26/2021 apresentado pela Prefeitura (transformado na Lei 2295/2021) e que institui gratificação extraordinária a enfermeiros e técnicos de enfermagem municipais, como retribuição ao enfrentamento da pandemia. As gratificações oscilaram entre R$ 500 e R$ 1.000 para técnicos em enfermagem e entre R$ 1.000 e R$ 2.000 (enfermeiros). 

Já o governo do Ceará concedeu gratificação a servidores públicos que atuam diretamente na assistência à saúde de pacientes acometidos com Covid-19. Em vigor desde 1° de março de 2021 até o fim deste ano, a medida beneficia técnicos de enfermagem, enfermeiros e fisioterapeutas, enquanto médicos recebem adicional de risco.

Outro projeto de lei (50/2015), em andamento na Câmara dos Deputados, reforça a importância da formação continuada desses profissionais. Embora ainda não tenha sido aprovado, o PL ganha força com a pandemia, quando pequenas unidades hospitalares veem aumentar suas demandas por atendimentos de urgência e de alta complexidade. Essa capacitação garantiria uma assistência adequada aos pacientes, até que possam ser transferidos para UTIs, resultando em melhor qualidade no atendimento. 

Maior busca por especializações 

Nos últimos dois anos, a procura por especializações nas áreas de Unidade de Terapia Intensiva e Urgência e Emergência aumentou. 

Em Santa Catarina, houve grande crescimento na formação pós ensino médio, para os técnicos de Enfermagem, em especial na área de cuidados críticos e na formação para atuar nos domicílios. Em nível nacional, o Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) estuda a criação do Pós Tec – Programa de Especialização para Técnicos de Enfermagem, atendendo solicitação dos próprios trabalhadores por mais qualificação.

Sendo assim, o setor de educação também precisou se adaptar oferecendo mais cursos. “Durante a pandemia, tivemos um salto no número de matrículas praticamente em todos os cursos da área de saúde. Os da área de Enfermagem se sobressaem e dentre eles os mais procurados são Enfermagem em Ginecologia e Obstetrícia, Enfermagem em UTI e Enfermagem em Urgência e Emergência, diz a diretora acadêmica da UniBF, Roseane Almeida da Silva.

Para a diretora, a formação continuada é a principal via de acesso a promoções e aumento de salário. “Com mais conhecimento, seja técnico, científico e/ou teórico, um profissional tem mais habilidades e competências para exercer sua função. E tanto na área privada quanto na pública, a realização de cursos de Pós-graduação é um critério para o avanço na carreira, ambos indicando os diferentes níveis: especialização, mestrado e doutorado. Então, sem uma especialização fica muito difícil um profissional almejar uma promoção”, aponta.

Oportunidades de aperfeiçoamento 

O enfermeiro Amorim Gleidson Souza Mota, optou pela modalidade à distância e já concluiu três especializações: Enfermagem em Ginecologia e Obstetrícia, outra em Atenção Primária à Saúde com Ênfase em Saúde da Família e a de Enfermagem de Urgência e Emergência.

Amorim Gleidson Souza Mota já concluiu três especializações &#8211; Foto: Arquivo pessoalAmorim Gleidson Souza Mota já concluiu três especializações – Foto: Arquivo pessoal

Para isso, Amorim escolheu a UniBF. “É uma faculdade de excelência tanto pelo conteúdo exposto na grade curricular quanto pela equipe, sempre atenciosa. Meu tutor sempre estava presente, inclusive aos finais de semana e feriados”, afirma.

“Causou impacto positivo em minha carreira profissional como enfermeiro, pois além de mais conhecimento esses títulos de especialista fazem diferença em processos seletivos e concursos. Sou muito grato à UniBF por realizar meu sonho profissional de ser especialista”, comemora Amorim.

Modalidades que se adequam à rotina

Na UniBF, é possível optar por cursos de pós-graduação à distância 100% online, reconhecidos pelo MEC. “Hoje, temos tecnologias suficientes para a realização de atividades de ensino e de aprendizagem que descartam a presencialidade. Os laboratórios virtuais permitem ao aluno realizar experimentos com os mesmos instrumentos e técnicas como se estivessem em um laboratório físico, inclusive simulando erros para se observar os resultados. Com a realidade aumentada, também é possível observar um órgão do corpo humano, de diversos ângulos, com sua multiplicidade de conexões”, explica Roseane.

Dentre as 16 modalidades oferecidas na área da Saúde, o curso de Enfermagem de Urgência e Emergência é um dos mais procurados. Nele, são trabalhadas as habilidades para situações de risco em ambiente hospitalar, sendo voltado para enfermeiros graduados e demais profissões da área da saúde. 

“Além dos hospitais investirem em profissionais capacitados, os enfermeiros especialistas em urgência e emergência ainda  têm a possibilidade de atuação no SAMU, hoje disponível em todas as regiões do Brasil, com demanda cada vez mais crescente, bem como, em empresas privadas de atendimento médico móvel”, destaca a diretora.

“Nesse curso, o profissional encontrará um ambiente de aprendizagem direcionado à autonomia dos estudos e flexibilidade de tempo, com embasamento científico, valorizando a tomada de decisão, fator fundamental no cenário da enfermagem de urgência e emergência”, finaliza.

+

Faculdade UniBF

Loading...