Carlos Moisés vai retirar termos de identidade de gênero do currículo da educação

Assunto começou a ser ventilado após deputados criticarem durante sessão da Alesc a inclusão da expressão no documento

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), disse na noite dessa quarta-feira (28) que irá solicitar a retirada do termo identidade de gênero no Currículo Base da Educação Infantil e Fundamental do Estado.

O assunto começou a ser ventilado após alguns deputados criticarem a inclusão da expressão no documento durante uma sessão da Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina), realizada no mesmo dia. 

Governador determinou que a secretaria da Educação faça as correções necessária no Currículo Base – Arquivo/Marco Santiago/NDGovernador determinou que a secretaria da Educação faça as correções necessária no Currículo Base – Arquivo/Marco Santiago/ND

Após a discussão no legislativo, o chefe do Executivo catarinense publicou um vídeo nas redes sociais, no qual afirmou que não havia tido conhecimento do texto, mas que iria tomar as medidas necessárias, pois o tema não seria permitido na gestão atual. Moisés estava acompanhado do secretário de Educação, Natalino Uggioni.

No final do vídeo, o governador determinou também que a secretaria faça as correções necessárias no texto e que, após isso, o remeta ao Conselho Estadual novamente. 

“Eu não tomei conhecimento deste documento e tenho lido alguma coisa pela rede social, mas, de qualquer sorte, já estou determinando ao professor Natalino que faça as correções necessárias, que remeta novamente ao Conselho Estadual de Educação, para que faça as correções necessárias, porque esse tema é um tema que nós não permitiremos abordagem”, disse Moisés.

Leia também:

Na sessão realizada no plenário da Alesc, membros das bancadas do PSD, PL, PSC e PSL pressionaram o governo para realizar as alterações.

O documento em questão é um norteador dos projetos pedagógicos de ensino e auxilia as unidades educacionais de todo o Estado. O texto está na fase final de elaboração e aguardava apenas a homologação do governador.

+

Educação

Loading...