Cinco anos após data prevista para inauguração, sede da UFSC em Joinville segue inacabada

Prédio estava previsto para ser inaugurado em 2014 mas, por falta de recursos, obra situada às margens da BR-101 continua paralisada e sem perspectiva

Quem passa diariamente pela BR-101 no Norte do Estado já se acostumou com o “esqueleto” de um prédio abandonado às margens da rodovia. O local, que era para ser a sede joinvillense da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), continua com as obras paradas e sem perspectiva de retomada.

Obras da UFSC continuam paradas por falta de recursos – Foto: Arquivo/ND

A construção da sede da universidade em Joinville teve início em maio de 2012. Segundo a UFSC, na época, com o novo prédio, a expectativa era que 2 mil alunos de graduação fossem beneficiados com o novo espaço. A área foi doada pela prefeitura após a aprovação de uma lei municipal.

Na época, quatro obras, entre elas um edifício de 9.850 m² , entraram em fase de construção, com previsão de inauguração no primeiro semestre de 2014. Porém, sete anos depois do início das construções, o prédio continua com os trabalhos parados e compõe o ranking de “obras iniciadas e nunca acabadas”.

Falta de recursos

De acordo com o chefe de gabinete da UFSC, Aureo Moraes, o principal motivo para a paralisação das obras foi a falta de recursos. Ele conta que a primeira etapa da obra, que contou com o erguimento da estrutura do prédio, foi realizada por meio de licitação.

Obras iniciaram em 2012 e ainda não ficaram prontas – Foto: UFSC/Divulgação

Para que a obra continuasse, era preciso que novos projetos licitatórios fossem aprovados. Assim, a universidade garantiria os recursos restantes para finalizar o prédio. Porém, mesmo com as inúmeras solicitações, o orçamento necessário ainda não foi repassado.

“Após a primeira etapa, chegou em uma altura que seria necessária uma nova licitação. Então, tentamos junto ao Governo Federal novos recursos, mas até o momento não conseguimos”, explicou Aureo.

Atualmente, a obra está orçada em aproximadamente R$ 60 milhões – realidade distante para a universidade, que nos últimos anos vem lidando com cortes no orçamento. Por conta disso, Aureo afirma que não há planos para que a obra seja retomada nos próximos anos.

“A única solução, neste caso, seria se o Governo previsse recursos suficientes para continuar com as obras da sede, dentro da lei orçamentária. Mas, enquanto não conseguimos os valores, a obra, que é complexa, continua sem alteração”, explica.

Atualmente, universidade está sediada em um complexo industrial – Foto: UFSC/Divulgação

Universidade atua em sede alugada

Instalada desde 2009 em Joinville, atualmente a UFSC funciona em um prédio de 13.000 m² alugado em um condomínio empresarial. O valor mensal do aluguel é R$ 450 mil.

Com 1.800 alunos, a universidade informou que “modelo de parceria reconhecido pelo próprio MEC, tem se destacado em várias áreas e atende perfeitamente à demanda atual”.

Questionado sobre a possibilidade do uso do dinheiro do aluguel para continuar as obras, Aureo explicou que isso não pode ser feito por lei.

“O orçamento repassado é dividido em dois grupos: capital e custeio. O custeio, que geralmente é a maior fatia, corresponde ao pagamento de despesas, como o aluguel. Já as verbas de capital são para o pagamento de obras e construção de novas sedes. Por isso, por serem verbas de natureza distinta, não é permitido usar o valor do aluguel para o pagamento de obras e vice-versa”, explica Aureo.

Enquanto os recursos não têm previsão de serem liberados – a universidade acredita, inclusive, que no próximo ano possa haver um novo corte de recursos destinados à instituição -, os alunos e moradores da região continuam a vislumbrar, à beira da estrada, as rupturas de mais uma promessa que não saiu do papel.

Prefeitura não quer terreno de volta

O terreno foi doado pela Prefeitura de Joinville à universidade em 2008, através da sanção de uma Lei Municipal, pelo então prefeito Marco Antônio Tebaldi.

Na legislação consta que o local poderia ser retomado pelo Município caso não houvesse a construção do campus.

Em nota, a Prefeitura informou que “não há perspectiva para a retomada, já que o terreno ainda é uma área que a UFSC pretende usar”.

Leia também:

*Errata: a reportagem havia publicado inicialmente que a UFSC estava em Joinville desde 2007, mas na verdade, a universidade está na cidade desde 2009

+

Educação