João Paulo Messer

Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


Criciúma vai ensinar português para filhos de imigrantes e refugiados

O aumento de comunidades estrangeiras criou a necessidade de alfabetização em outros idiomas na rede pública de ensino; projeto vai atender crianças e adolescentes

Criciúma, principal cidade do Sul de SC, já foi a segunda cidade brasileira a ter o maior número de cidadãos em busca de trabalho no exterior – atrás apenas de Governador Valadares (MG). Agora, vive o outro lado da moeda.

A partir de 1º de março, o projeto “Novos Caminhos” atenderá imigrantes, refugiados, apátridas e solicitantes de refúgio para alfabetização em português. Serão atendidos dois grupos: crianças de 6 a 10 anos e adolescentes de 11 a 14 anos.

Projeto é de inserção para filhos de estrangeiros que vivem em Criciúma – Foto: Picasa/NDProjeto é de inserção para filhos de estrangeiros que vivem em Criciúma – Foto: Picasa/ND

O projeto é inédito na região e foi instituído pela Secretaria Municipal de Educação de Criciúma. Todos os alunos serão atendidos na Casa do Professor, estrategicamente localizado entre o Centro da cidade e o bairro Pinheirinho, onde vive a maior parte dos imigrantes. Além das aulas alunos recebem merenda e transporte.

Coordenadora pedagógica do projeto, a professora Lívia da Silva explica que a criação do programa ocorreu por conta do aumento de estudantes estrangeiros na rede municipal.

Os alunos têm diversas nacionalidades: são colombianos, haitianos, dominicanos e, principalmente, paraguaios. A secretaria aguarda o início das aulas para fazer um levantamento de quantos alunos vão procurar o serviço, mas a expectativa é que cerca de 200 estudantes busquem o atendimento.

Dentro do programa, os alunos receberão as matrículas em quatro idiomas: português, espanhol, inglês e crioulo.