Enem: “Motivação vem de berço”, diz indígena que fará a prova em SC

Amanda Vãn Fej Pesente, mora na Terra Indígena Toldo Chimbangue em Chapecó, no Oeste do Estado, e fará a prova pela segunda vez; o exame ocorre no domingo (17)

Amanda Vãn Fej Pesente, de 18 anos, é uma das indígenas da Terra Indígena Toldo Chimbangue, localizada em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, que fará a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Fora ela, apenas mais um estudante da Escola Indígena de Ensino Fundamental Fen’Nó fará o exame.

garota sentada de camiseta branca segura caneta com vários livros na frente dela com canetas em cima dos livros estuda para a prova do EnemAmanda se preparou em casa para a prova, mas contou com o apoio dos professores de maneira remota – Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação/ND

A prova será realizada neste domingo (17) para quem optou pela modalidade presencial. O exame iniciará às 13h30, mas a abertura dos portões ocorrerá mais cedo, às 11h30, para evitar aglomerações. Até o momento, a realização da prova está mantida na região do Grande Oeste do Estado.

Apesar do ano atípico, em decorrência da pandemia da Covid-19, Amanda conseguiu se preparar para a prova. “Foi um pouco difícil estudar este ano, principalmente se aprofundar nos assuntos, porque não conseguimos estar diretamente com os professores, mas mesmo assim eles nos deram toda a atenção para que pudéssemos sanar as dúvidas e se preparar”, disse a estudante.

Persistência é palavra de ordem

Essa é a segunda vez que a jovem fará a prova. A primeira, segundo ela, foi para saber como é aplicado o exame. Amanda se formou no Ensino Médio e ainda está em dúvida entre duas graduações, ambas na área da saúde: psicologia ou enfermagem.

O sonho da jovem é estudar na UFFS (Universidade Federal da Fronteira Sul), mas ela relata algumas inseguranças. “Eu sempre estudei em escola indígena, talvez em uma universidade, no início, eu me sinta acuada, um pouco com medo do preconceito das pessoas”, relatou.

Inspiração que vem de família

Mesmo com os desafios do ensino remoto, Amanda está confiante. A motivação vem de casa, já que a jovem tem três tios graduados e uma tia e dois primos que estão na universidade.

“É uma inspiração que vem de família. Também quero conquistar meu diploma”, afirmou a jovem.

Amanda disse não ter tido dificuldades na preparação porque usou a internet como parceira durante este período, assim como livros referenciados pelos professores e anotações feitas durante as aulas. “A internet foi uma aliada. Facilitou o contato com os professores que me ajudaram com as dúvidas que eu tinha”, contou.

Segundo ela, outra das táticas usadas foi acompanhar os telejornais para ficar bem informada sobre os assuntos da atualidade. “Os assuntos do dia a dia podem ser um tema da redação para o Enem, por isso, tentei ficar atualizada”.

Garota de coque sentada na cama com caderno e caneta nas mãos estuda para a prova do Enem com livros abertosAmanda se preparou para a prova em casa, mas contou com o apoio dos professores de maneira remota. – Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação/ND

Como vencer a ansiedade na hora da prova?

Manter a calma e respirar fundo ajuda na hora da prova – Foto: DivulgaçãoManter a calma e respirar fundo ajuda na hora da prova – Foto: Divulgação

Ansiedade, nervosismo e medo são alguns dos sentimentos que tomam conta de estudantes no dia da realização da prova do Enem.

A dúvida sobre ter estudado o conteúdo certo, a preocupação em garantir uma boa nota na redação e até mesmo a angústia em alcançar uma boa nota invadem os dias que antecedem o exame.

No entanto, manter a calma é essencial e as dicas de profissionais da saúde são valiosas para encarar o dia da prova. Veja o que a psicóloga Anna Alice Debiasi orienta:

  • Reconheça a ansiedade, saiba que seu corpo dará sinais quando se sentir assim. Isso pode ser desencadeado no momento da prova com uma questão difícil, ou na organização do tempo de realização da prova. Se acalme, pare e respire fundo.
  • Planeje o trajeto. Se possível, vá até o local alguns dias antes para conhecer os possíveis caminhos e, assim, evitar imprevistos. Saia sempre com um tempo considerável de casa.
  • Antes da prova não se sobrecarregue. Relaxe e faça algo prazeroso, assista a filmes, durma cedo, seu cérebro precisa descansar. Estudar neste momento só fará com que você se desgaste e este não é o objetivo neste momento.
  • Na hora da prova não pense em seus concorrentes. Foque na sua atividade, você não sabe se estão saindo antes da prova por terem respondido tudo ou não. Deixe as questões mais difíceis para o fim, assim você responde as fáceis e garante estas. Faça no seu tempo, não se compare!
  • Respire bem. Mesmo com o uso da máscara, se permita inspirar o ar até ver sua barriga se movimentando e expire (solte o ar) devagar. Repita algumas vezes até perceber que está melhor.

Estudantes têm desafios em ano de pandemia

O ano atípico, com ensino remoto, desafiou os estudantes na hora da preparação para a prova. A adolescente Gabrieli Vitória Gaio Moreita, de 16 anos, é uma prova disso.

A jovem precisou procurar material de estudo além do que foi oferecido pela escola. Como possui internet, também ajudou os colegas a tirar dúvidas.

Pessoa com a caneta na mão escreve em folha de papel branca em cima da mesa com uma xícara de café e livros estuda para o EnemEstudantes se desafiaram na preparação para o Enem em um ano com ensino remoto – Foto: Pixabay/Divulgação

“Vinham as dúvidas: ‘será que entendi direito?’, ‘será que é suficiente?’. Essas foram perguntas que me preocuparam, assim como outros alunos, por isso ofereci ajuda aos meus colegas que tinham dificuldade nos estudos”, comenta a moradora de Caxambu do Sul, no Oeste de Santa Catarina.

A adolescente, que é presidente do grêmio estudantil de uma escola pública, disse que, durante o ano, alguns professores estiveram à disposição para ajudar no esclarecimento de dúvidas e com orientações.

“Questões que caíram em edições anteriores do Enem quase nunca foram abordadas nas aulas, principalmente esse ano com as atividades remotas, mas contamos com o apoio de alguns professores”, acrescentou.

Gabrieli quer cursar Arquitetura e Urbanismo e tem o sonho de entrar na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), em Porto Alegre, ou no Instituto Federal da Fronteira Sul. “Acredito que vou conseguir ir bem na prova, sempre existe o nervosismo, mas não vai ser ele que vai me impedir”, afirmou.

Preparação para o dia da prova 

Neste ano, o uso de máscaras de proteção será obrigatório durante todo o período de realização da prova. Caso o candidato não cumpra com as regras, ele poderá será eliminado. Será permitido que o participante leve máscara reserva para troca durante a aplicação.

A dica do professor Angelo Leubet é que o participante do Enem se adapte com a máscara. “Ela é um elemento novo e os estudantes terão que se adaptar. A dica é que use em casa e se habitue, para que no dia da prova consiga manter a respiração tranquila e a concentração para que a máscara não seja um empecilho”, comentou o professor.

Outra dica do professor para o dia da prova presencial é planejar uma estratégia de execução. “Alguns preferem iniciar pela redação, outros  com as questões mais difíceis. Porém, isso é uma estratégica que o aluno deve fazer antes da prova. Deve se organizar para chegar no dia e responder as questões com calma”, acrescentou.

Desistir não faz parte do vocabulário

Briana Hoffmann Schimdt, de 18 anos, é natural de Palmas, no Paraná, mas se mudou para Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, em busca do sonho da graduação. A jovem realiza a prova do Enem desde o segundo ano do Ensino Médio, em 2018. Na primeira vez, Briana fez apenas para conhecer.

Menina com a camiseta azul e branca sentada em frente ao computador e com livro na mão estuda para a prova do Enem Briana Hoffmann Schimdt, de 18 anos, pretende cursar Psicologia na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) – Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação/ND

“Eu tinha a curiosidade de saber como era e me inscrevi. Quando fiz a primeira prova, vi que era realmente necessário me preparar muito bem e me dedicar para alcançar uma boa nota”, disse.

No ano seguinte, já no terceiro ano do Ensino Médio, em 2019, lá estava Briana novamente realizando a prova do Enem, desta vez mais preparada. Apesar dos esforços, a jovem não alcançou a média necessária para ingressar em uma universidade federal.

“Então eu recebi uma oportunidade de bolsa de estudos em uma universidade comunitária de Chapecó. Me mudei com minha mãe e iniciei as aulas no curso de Psicologia”, contou.

Universidade pública é sonho

Mas, o sonho de Briana sempre foi a universidade pública. “Eu quero cursar Psicologia na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e me inscrevi novamente no Enem deste ano. Creio que estou mais madura e preparada para fazer a prova”, avaliou.

Mesmo com a dificuldade de preparação em decorrência da pandemia da Covid-19, a jovem se dedicou aos estudos. “Eu utilizei pouco a internet, me baseei muito em livros que eu tinha e conteúdos que eu já havia tido na escola. Acredito que mesmo em um ano atípico é preciso ter foco e não adiar os estudos. Tudo é uma questão de organização”, observou.

Acesse e receba notícias de Chapecó e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Enem