Estado não melhora proposta, e magistério de SC mantém decisão de fazer greve a partir do dia 17

Nova reunião deve acontecer na segunda-feira (9). Porém, nem Sinte nem Governo pretende apresentar nova proposta na ocasião

O governo do Estado e o Sinte-SC (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina) não avançaram nas negociações sobre o piso salarial da categoria e nova reunião foi marcada para o próxima segunda-feira (9). Representantes dos dois lados devem sentar e discutir uma solução para o impasse. Na tarde de segunda (2), as partes se reuniram na Secretaria de Estado da Educação, mas não foi apresentada nova proposta para as reivindicações feitas pelos professores.

O secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, afirmou que não há novidades e que, por esse motivo, manteve a proposta feita no dia 13 de março, negada pelos professores em assembleia no dia 16. “Eles não apresentaram uma contraproposta e, assim, não podemos avançar nas discussões. Nós já pedimos uma reunião com o Ministro da Educação para ver a possibilidade de novos recursos, mas, por enquanto, não tivemos retorno”, explicou.

Deschamps acrescentou que a categoria deve pressionar o governo federal para maiores investimentos na educação dos Estados. Mas para o Sinte-SC, o governo de Santa Catarina tem condições de pagar o piso nacional. “Não vamos apresentar contraproposta e mantemos a greve para o dia 17, caso não tenha nenhum fato novo”, garantiu Alvete Bedin, presidente do sindicato.

O governo propõe o pagamento do reajuste de 22,22% do salário dos professores, questão principal abordada nas negociações. Mas sugere pagar 8% neste ano e o restante será dividido eentre 2013 e 2014. Os professores não aceitaram e pedem o pagamento integral do reajuste para toda a categoria ainda em 2012.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Educação