Estudantes cobram passes e melhorias na Gerência Regional de Educação de Joinville

Alunos da Escola Estadual Celso Ramos caminharam da sede da unidade, no Bucarein, até a rua Afonso Pena, no Centro, com faixas e cartazes

Luciano Moraes

Além do passe, estudantes cobram educação, alimentação e ar-condicionado

Educação, alimentação, ar-condicionado e transporte de qualidade. As quatro promessas feitas em 2011 aos atuais alunos do ensino médio integral da Escola de Ensino Médio Governador Celso Ramos, no bairro Bucarein, estão sendo cumpridas apenas parcialmente pela Gered (Gerência Regional de Ensino). O ensino é considerado de qualidade, mas há restrições na alimentação, os condicionares de ar não foram instalados e o transporte não foi pago aos alunos. Sem receber passes para irem às aulas, alguns deles desistiram do ensino médio integral. Nesta quarta-feira (18), 280 estudantes não foram às aulas. Do lado de fora da escola, cobraram providências do governo do Estado. Pela manhã protestaram na avenida Procópio Gomes. No início da tarde, caminharam até a Gered, na rua Afonso Pena, no Centro, e pediram uma reunião com a gerente, Heliete Steingräber.
“No ano passado, equipes do Celso Ramos foram nas escolas explicar sobre o ensino médio integral e nos disseram que teríamos ensino, alimentação, ar-condicionado e transporte de qualidade”, disse Eduardo Zanatta Leite, 15, um dos cinco alunos autorizados a conversar com a gerente. Ex-estudante da Escola Elizabeth Von Dreiffus, no Morro do Meio, ele afirma que se matriculou no Bucarein confiante de que na segunda semana de aula receberia os passes para estudar sem comprometer o orçamento da família.
A colega Nathalia Coelho, 15, também reclamou do transporte que até agora tem sido bancado pela mãe. “A minha e outras mães reclamam muito porque eles prometeram uma coisa que não estava ali. E todo dia 15 diziam que teríamos o passe e não recebíamos”, enfatizou. Andressa da Silva Borges, 14, completou que a crítica dos alunos não é ao modelo de ensino. “A gente sabe que a educação é de qualidade e ninguém quer sair do Celso. Por isso estamos reclamando, mas em paz, não queremos confusão”, comentou.
Durante a reunião, a gerente informou aos alunos que os passes ainda não haviam sido comprados devido à burocracia na formalização do convênio entre a SDR (Secretaria de Desenvolvimento Regional) e a Prefeitura de Joinville.

Convênio garante os passes a partir de segunda-feira

“O ensino médio integral é uma coisa nova e tudo que é novo traz problemas. Ou nós começávamos assim e lutávamos ou adiávamos isso por mais um tempo”, justificou Heliete. Ela também afirmou que a compra dos alimentos está sendo viabilizada pela SDR na Capital e deve ser normalizada na próxima semana. Hoje, segundo os alunos, a escola está tendo que complementar a alimentação diária com recursos próprios. Suco e café já não são mais servidos durante as refeições.
O problema do transporte, de acordo com a supervisora de assistência ao estudante Margariane Bussmann, será resolvido na segunda-feira (23). Em reunião realizada Nesta quarta com o secretário regional, Bráulio Barbosa, na SDR Joinville, o convênio entre município e Estado foi oficializado. “Na sexta-feira (20), os passes serão entregues para as escolas e, na segunda, os alunos estarão com eles”, prometeu.
Com a decisão, os alunos do Celso Ramos decidiram voltar às aulas normalmente nessa quinta – eles pretendiam continuar a paralisação caso nenhuma proposta satisfatória fosse oferecida ontem. Atualmente, 610 alunos das escolas Celso Ramos, no Bucarein, Nagib Zattar , no Jardim Paraíso, e Arnaldo Moreira Douat, no Costa e Silva, estão matriculados no ensino médio integral. Destes, 444 alunos precisam de passe para estudar.

Luciano Moraes

Cinco alunos participaram da reunião com a gerente Heliete Steingräber

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Educação