MP do Trabalho recomenda que escolas tomem medidas contra assédio após caso Ana Campagnolo

Entidade orientou que instituições públicas e particulares promovam ações de amparo aos professores

Em reação à deputada estadual eleita Ana Caroline Campagnolo, o MPT-SC (Ministério Público do Trabalho) recomendou que todas as escolas das redes pública e particular do Estado adotem medidas de prevenção ao assédio moral contra professores em sala de aula.

Ana Caroline Campagnolo - Reprodução/ND
Ana Caroline Campagnolo – Reprodução/ND

Logo após o resultado das eleições, Ana abriu um canal informal na internet pedindo aos alunos que mandassem vídeos e informações de professores que fizessem qualquer manifestação ideológica em sala de aula. A Justiça Estadual, em liminar, determinou a retirada imediata das manifestações feitas pela deputada eleita.

Conforme o MPT-SC, as escolas devem promover debates e discussões, com professores, alunos e comunidade escolar, sobre a importância do pluralismo de ideias, de concepções pedagógicas e de liberdade de manifestação.

A recomendação resulta de denúncias encaminhadas ao MPT relacionadas a deputada. O MPT orienta Ana Caroline Campagnolo a se abster de praticar ou incitar assédio moral sob pena de configuração de ilícito trabalhista e improbidade administrativa.

A recomendação pede também o cumprimento da lei estadual que veda o uso de aparelhos celulares nas salas de aula.

A recomendação é assinada pelos procuradores do Trabalho, Alice Nair Feiber Sonego, Lincoln Roberto Nobrega Cordeiro, Luciano Arlindo Carlesso, Luiz Carlos Rodrigues Ferreira e Sandro Eduardo Sardá.

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.