Saiba como a música pode ajudar no desempenho escolar

Atividades musicais podem promover o bem-estar, despertar a atenção dos estudantes e gerar maior interesse pelo conteúdo abordado

De tantas mudanças que a pandemia causada pela Covid-19 afetou no ensino, uma delas foi a distância da sala de aula, contato tão importante e necessário para o desenvolvimento do estudante.

O professor de inglês, Elton Carlos de Araújo Alves, da EM Prefeito Geraldo Wetzel, conseguiu aproximar a relação entre os alunos e professor com o projeto “The Cup Song” – Foto: EM Prefeito Geraldo Wetzel/Divulgação/its TeensO professor de inglês, Elton Carlos de Araújo Alves, da EM Prefeito Geraldo Wetzel, conseguiu aproximar a relação entre os alunos e professor com o projeto “The Cup Song” – Foto: EM Prefeito Geraldo Wetzel/Divulgação/its Teens

Afastados do ambiente escolar por quase um ano, o retorno ao ensino presencial, para a maioria dos alunos e professores, trouxe dificuldades: mudança no tempo de estudo, estudantes mais introvertidos e desafios de interação.

Para romper com todo esse bloqueio, professores buscam apresentar propostas pedagógicas que não dependam de um modelo tradicional de ensino, como apenas quadro, conteúdo e impressão.

Na Escola Municipal Prefeito Geraldo Wetzel, no bairro Fátima, as aulas de Inglês dos alunos do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental ganharam som, ritmo e compasso com o objetivo de alinhar música com o processo de ensino e aprendizagem.

Com o projeto “The Cup Song” (A Música do Copo, em tradução literal), o trabalho de Elton Carlos de Araújo Alves, professor de Inglês, tem aproximado a relação entre aluno-aluno e aluno-professor por meio da junção entre o plano pedagógico e promoção do bem-estar em sala de aula, além de conseguir alinhar as quatro habilidades importantes deste componente curricular: audição, fala, leitura e escrita.

Ao longo de todo o trabalho, o professor se colocou como mediador e destacou o protagonismo dos estudantes no projeto, dando a autonomia para que cada turma pudesse escolher a própria música, o tipo de copo reciclável e as adaptações necessárias para que todos os estudantes pudessem participar, com respeito às diferenças e as particularidades de cada um.

“Nós temos uma aluna com síndrome de down. No primeiro dia que eu passei o projeto, a primeira pergunta foi: ‘como que a gente vai fazer para ela também possa bater o copo?’ Passando o tempo, eles criaram uma batida que entrava todos no mesmo ritmo e que ela conseguia fazer”, conta Elton.

Nesta proposta pedagógica, “The Cup Song” é um projeto em que os alunos desenvolvem a coordenação motora ao fazer as batidas na mesa com o copo de acordo com o ritmo musical. Além disso, soltam a voz e trabalham a timidez para se apresentar com todos os colegas e cantar a música escolhida pela turma, toda em língua inglesa.

A proposta de levar para a sala de aula a musicalidade facilita a compreensão da língua estrangeira no ensino com a melhora da pronúncia, o interesse por uma outra cultura e, inclusive, até aguça os sentidos dos estudantes.

Arthur Rengel, 13, aluno do oitavo ano, sabe tocar ukulele, teclado e flauta. Para ele, a música no ensino é uma oportunidade para melhorar a audição e compreender melhor os assuntos da escola. Além disso, aprender novos assuntos atrelados à música relaxa, promove a concentração e ajuda a trazer a mente para o estado de presença.

“Eles prestam mais atenção no que o professor fala, estão mais presentes. Não são desligados ou desatentos, como quando você fica com conteúdo só explicativo”, pontua Elton.

O projeto, que hoje envolve 24 grupos, divididos em 12 turmas, pode sair dos muros da Escola Prefeito Geraldo Wetzel e chegar em outras unidades. Isso porque o professor Elton, junto com outros professores de inglês da Rede, compartilham em um grupo de conversa as iniciativas e projetos pedagógicos aplicados em cada unidade.

“Nós vamos expandir isso para que se faça em todas as escolas, que saia do Geraldo e compartilhe para que todo mundo tenha acesso a essa mudança.”

Música como apoio no ensino: por que incluir nas aulas?

O projeto “The Cup Song” envolve 24 grupos, divididos em 12 turmas, e o professor responsável tem planos para levá-lo a outras escolas – Foto: EM Prefeito Geraldo Wetzel/Divulgação/its TeensO projeto “The Cup Song” envolve 24 grupos, divididos em 12 turmas, e o professor responsável tem planos para levá-lo a outras escolas – Foto: EM Prefeito Geraldo Wetzel/Divulgação/its Teens

Uma das coisas mais legais é perceber as infinitas possibilidades que a música pode despertar em cada pessoa. Seja na escola ou fora dela, o som pode ser estimulante para que você tenha energia e faça uma atividade física, por exemplo, ou consiga se concentrar para estudar um novo assunto.

De um extremo ao outro, ainda é possível encontrar o elo que conecta todas as respostas que a música proporciona no organismo: alegria, bem-estar, criatividade e concentração.

Sendo assim, veja os motivos para incluir esta estratégia nas aulas:

  • Promoção da integração, colaboração e relacionamento entre os alunos.
  • A música libera neurotransmissores que trabalham no sistema cognitivo e emocional.
  • Melhora no vocabulário, ao conhecer palavras novas nas letras musicais.
  • Contribui para melhora da memória, com o hábito de memorizar a escrita e pronúncia correta das palavras.
  • Desenvolvimento da autoestima.

Quer sua escola na its Teens? Saiba como

Para sair na revista its Teens e divulgar os projetos e iniciativas da sua escola, basta preencher este formulário com todas as informações e aguardar o nosso contato.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Educação

Loading...