Servidoras do Tribunal de Justiça levam leitura e alegria para jovens acolhidos no Oeste de SC

Projeto voluntário Leitura Mediada, surgiu em outubro de 2021 e busca incentivar a leitura para crianças e adolescentes; ação ocorre em Coronel Freitas

Incentivar a leitura para crianças e adolescentes acolhidos. Esse é o objetivo do trabalho voluntário desenvolvido há seis meses por servidoras do Fórum de Coronel Freitas, no Oeste de Santa Catarina. O projeto Leitura Mediada, surgiu em outubro de 2021 a partir de iniciativa da assessora jurídica Denize Carolina da Cunha, que logo recebeu apoio das colegas Edineia Fátima Echer Torres, chefe de cartório; e Silvana Orlandin, assistente social forense.

Ação Coronel Freitas. – Foto: Montagem/TJSC/Divulgação/NDAção Coronel Freitas. – Foto: Montagem/TJSC/Divulgação/ND

Denize conta que, na época, percebeu a necessidade de trabalhar o emocional e o psicológico das crianças retiradas de suas famílias mesmo que temporariamente, enquanto tramita o processo.

“As crianças e adolescentes que estão acolhidos passaram por situação de vulnerabilidade, como maus-tratos, agressões físicas, abandono… E não se pode ignorar que presenciaram, muitas vezes, toda forma de violência. Por isso é muito importante que sejam proporcionadas novas e boas experiências, que certamente contribuirão para outra visão de mundo”, observa. Foi então que a servidora resolveu comprar os livros e propor a dinâmica para as crianças.

Obras como “Mogli, o Menino Lobo”, “O Pequeno Príncipe”, “O Rei Leão”, “Os Animais Salvam”, “O Diário de Anne Franke”, “Frozen”, “Meu Pé de Laranja Lima” e “O Diário de um Banana”, entre outras, trazem personagens que se encontram em situações inesperadas e de grande abalo emocional.

Ludicidade

De maneira lúdica, a tendência do jovem leitor é se identificar com o protagonista da história, que consegue enfrentar e até superar as dificuldades impostas. Sempre com respeito ao gosto do acolhido, as servidoras sugerem o livro. Os jovens têm o prazo máximo de 30 dias para ler, até a data marcada para apresentação da história.

O encontro é sempre acompanhado de uma atividade extra, como lanche, “cinema” ou contação de histórias. Para a próxima narrativa, as crianças e adolescentes usarão fantasias semelhantes aos personagens dos livros que leram.

Servidoras integram o projeto voluntário – Foto: TJSC/Divulgação/NDServidoras integram o projeto voluntário – Foto: TJSC/Divulgação/ND

“Estamos concluindo a leitura da quarta obra. O retorno que temos das profissionais da casa-lar é bastante positivo. A psicóloga, em relatório, informou um grande envolvimento dos acolhidos com a leitura e com as experiências que cada obra oferece. Inclusive, as crianças e os adolescentes criaram a própria rotina de leitura. Também se percebeu importante evolução na capacidade cognitiva deles na escrita e na decodificação, o que também é objetivo do projeto”, comemora Denize, que observa ainda importante desenvolvimento da atividade criativa proporcionado pela narrativa e exposição da história.

Participação

Atualmente participam sete acolhidos. A cada nova apresentação que eles fazem, é mais um capítulo de orgulho e felicidade que entra para os livros das vidas das três servidoras que atuam voluntariamente no projeto.

“Com o projeto Leitura Mediada, percebi que a gente pode colaborar para o crescimento e a vida de outra pessoa. Às vezes postergamos esperando condições melhores, mas o pouco que podemos fazer agora, o tempo que dedicamos em prol de outras pessoas acaba sendo muito significativo”, conclui a assessora jurídica.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Diversa+ na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Educação

Loading...