Veja os detalhes da volta às aulas divulgados pelo governo de Santa Catarina

Plano do Governo do Estado vai oferecer aulas de reforço aos alunos do terceiro ano do Ensino Médio que apresentam dificuldade na assimilação dos conteúdos

Os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio com maior dificuldade de aprendizagem serão os primeiros a voltar às atividades presenciais em Santa Catarina. A esses estudantes da rede estadual, serão oferecidas aulas de reforço escolar.

Estudantes com dificuldade de aprendizagem voltarão às salas de aula em Santa Catarina – Foto: Leonardo Sousa/Divulgação/PMF/ND

A informação foi divulgada pelo secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni, na apresentação do plano de retomada das aulas presenciais, realizada na manhã desta quarta-feira (9). O objetivo do documento é preparar as instituições de ensino para o retorno seguro às escolas no Estado.

O secretário reforçou que, em princípio, os professores e colaboradores devem voltar às escolas no dia 13 de outubro, uma vez que a atual suspensão segue até o dia 12 de outubro. Na segunda-feira seguinte, dia 19 de outubro, deve ser a vez dos estudantes retornarem às salas de aula.

O retorno, contudo, depende de dados favoráveis da pandemia da Covid-19 em Santa Catarina. A data será confirmada com cerca de 15 dias de antecedência.

Retorno gradual

Os alunos do terceiro ano do Ensino Médio da rede estadual serão os primeiros convidados a voltar às escolas, pois, segundo Uggioni, têm mais condições de seguir o regramento estabelecido pelo plano de contingência. O retorno gradual também permitirá seguir as regras de distanciamento social.

A ideia do Governo do Estado é que, a cada semana, uma nova turma volte às aulas presenciais. Começando pelo terceiro ano do Ensino Médio, depois o segundo ano e assim sucessivamente. Não há previsão, no entanto, para o retorno da educação infantil.

As aulas remotas continuarão a ser oferecidas a todos os estudantes, mesmo aqueles que retornarem às atividades presenciais.

O secretário também destacou que a volta gradual poderá ser reorganizada pelas redes de ensino municipal e privada, conforme o cenário da pandemia da Covid-19 em cada região do Estado. “Se a rede municipal ou privada entender que pode voltar todas as turmas, escalonada ou não, tudo bem, desde que siga a classificação de risco da sua região.”, disse Uggioni.

A rede municipal e a privada farão seus próprios protocolos de retomada espelhados no plano de contingência Estadual.

“Eles definirão como vai ser a retomada. Se a rede não tem Ensino Médio, a retomada será organizada a partir dos anos finais, como o nono ano. A rede particular também pode seguir a mesma referência.”, afirmou o secretário de Educação.

Aulas de reforço

Neste primeiro momento, os professores das escolas estaduais oferecerão aulas de reforço por área de conhecimento, a fim de recapitular conteúdos trabalhados ao longo do ano.

Dentre os estudantes, aqueles com mais dificuldade de aprendizagem e assimilação do conteúdo letivo terão prioridade no retorno. Uggioni disse que ainda não há como quantificar quantos estudantes irão retornar, uma vez que o chamamento será discutido nos conselhos de classe realizado pelos professores no mês de setembro.

“Não vamos obrigar ninguém a ir presencialmente, mas aqueles com mais dificuldade, vamos tratar com eles e com a família sobre a importância de frequentar o reforço pedagógico para a trajetória estudantil”, disse Uggioni.

Os estudantes com bom desempenho escolar, ainda que fora do grupo prioritário, também terão a possibilidade de participar das atividades pedagógicas presenciais, se assim desejarem.

Previsão de retorno às aulas presenciais é no dia 19 de outubro – Foto: Mauricio Vieira/Arquivo/Secom/ND

O Estado organiza também, atividades de apoio em 2021 para os estudantes que estão, este ano, no terceiro ano do Ensino Médio, no nono ano, quinto ano e no segundo ano do Ensino Fundamental.

As atividades de reforço presenciais serão oferecidas no contraturno escolar. A ideia é conciliar o conteúdo dado em 2020 com o que será ofertado em 2021.

Educação Infantil

Os alunos da Educação Infantil das redes municipais, estaduais e privadas não têm previsão de retorno às aulas presenciais. Conforme o secretário Uggioni, as crianças são menos suscetíveis aos sintomas da Covid-19, mas são os que mais transmitem a doença.

Outra questão é a dificuldade das crianças pequenas em seguirem os protocolos de segurança estabelecidos para o retorno.

Professores

Os professores que fazem parte do grupo de risco para Covid-19 deverão permanecer com as aulas de forma remota. Com base em um diagnóstico estudantil, o Estado diz que já detém a estimativa de quantos professores serão necessários para dar conta das atividades pedagógicas presenciais, além do impacto financeiro.

De acordo com o secretário Uggioni, o Estado trabalha com duas possibilidades. A primeira é a ampliação da carga horária dos professores efetivos – fora do grupo de risco – que tiverem interesse em prestar as aulas de reforço presenciais.

A segunda é promover a chamada de professores temporários para auxiliarem nessa demanda. A capacitação dos professores será feita pela Defesa Civil Estadual.

Comitês municipais

Cada município, no decorrer de setembro, deverá reorganizar os comitês municipais de gerenciamento da Covid-19. Uma comissão será formada pelos estabelecimentos de ensino particulares, municipais, estaduais e federais, além de representantes da comunidade civil.

A comissão irá elaborar o plano de contingência próprio do munício, com aspectos específicos da região, baseado no plano estadual. A previsão é de que, no início da próxima semana, se inicie a formação das equipes escolares com o auxílio dos agentes estaduais.

+

Educação