A experiência arquitetônica que Dubai exibe ao mundo

s arranha-céus não têm o objetivo apenas de serem os mais altos, mas também com mais design, mais inclinado, com maior eficiência energética, com forma mais inusitada. -Divulgação/ND

Podem ficar tranquilos que nossa coluna ainda é sobre arquitetura. Mas como ela anda tão espaçada, acredito que conteúdos abrangentes são mais interessantes do que uma hora falarmos sobre quartos, outra sobre livings… Vejo o mundo mudando e a arquitetura acompanha esse movimento. O novo comportamento das pessoas faz com que invistam de forma consciente em suas casas e empresas. Hoje em dia é mais importante ser do que ter. Sendo assim, o investimento em viagens se sobressai aos materiais, como experiências únicas que agregam conhecimento. Com isso, volto aqui uma preocupação que tenho sobre o futuro da arquitetura no meio em que vivemos, e na contramão do que expus acima, transcreverei uma oportunidade recente que tive de ver ao vivo o quanto a arquitetura é sim valorizada.

Aproximadamente 30 escritórios de arquitetura de Santa Catarina foram convidados, através de uma pesquisa qualitativa, pelo NCD (Núcleo Catarinense de Decoração), para viver uma experiência arquitetônica e cultural em Dubai. Confesso que não estava nos meus planos viajar para lá tão cedo, pois tudo que sempre li, ouvi e assisti sobre a região não me entusiasmavam para conhecer algo tão megalomaníaco. Muito foi ao encontro do que eu pensava sim, mas também, poder ver de perto o quanto eles valorizam a arquitetura foi emocionante. Vamos lá, saio de uma ilha onde tudo é difícil aprovar, progredir, evoluir e aterrisso em um local onde literalmente o céu é o limite, pois eles constroem arquipelágos em formas mais aleatórias e determinadas impossíveis. Os arranha-céus não têm o objetivo apenas de serem os mais altos, mas também com mais design, mais inclinado, com maior eficiência energética, com forma mais inusitada. Não é à toa que contratam os maiores e melhores escritórios de arquitetura do mundo todo para trabalhar para eles e muitos já montaram filiais em Dubai. Assim como muitos profissionais da área, arquitetos e engenheiros, se mudaram para lá há mais de dez anos. O local prospera, pulsa e o jogo de ego entre os emirados, principalmente entre Dubai e Abu Dhabi, faz com que não haja limites.

Queremos ter o Louvre? Temos o Louvre! Queremos a maior pista de ski indoor do mundo? Temos! Queremos as montanhas-russas mais altas, mais rápidas e ainda associadas à marca Ferrari? Certamente construímos! Então, não adianta dizer: eu vou esperar tudo ficar pronto para ir a Dubai. Essa é a grande magia do emirado: a reinvenção dos conceitos de arquitetura contemporânea. Dubai nunca ficará pronta; ela já nasceu pronta, despontando como referência de hotelaria de luxo e arquitetura futurística, mesmo com condições naturais desfavoráveis. Em meio a grandes prédios, os destaques dessa nova fase são: o Burj Khalifa, considerado mais alto do mundo, e o Burj Al Arab, em formato de vela, que se tornou um dos principais cartões-postais de Dubai. Outra construção emblemática é o Palm Jumeirah, uma ilha artificial em formato de palmeira com diversas residências, resorts e parques aquáticos. Mas ainda é possível conhecer o maior shopping, o maior aquário, maior prédio em formato de moldura de quadro do mundo, Dubai Frame. Sim, até isso eles inventaram.

Mais conteúdo sobre

Inspira!