Cantor Romanelli lança primeiro álbum autoral “Anomalous’, uma crítica ao conservadorismo

Flávio Tin/ND

“Anomalous” traz canções com letras em inglês, italiano e português

Graduado em letras e filosofia pela Universidade de Milão, mestre e doutor em linguística aplicada pela UFBA (Universidade Federal da Bahia), PhD em antropologia da tradução pela Universidade da Antuérpia na Bélgica, e professor em língua e literatura na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Quem sabe da formação acadêmica de Sergio Romanelli, 46, se surpreende ao conhecer o trabalho artístico do cantor, que lança seu primeiro álbum autoral, “Anomalous”, neste mês de junho.

Definido pelo próprio artista como transpop, o álbum trabalha com a ruptura de gênero e traz nove canções com batidas eletrônicas que fazem críticas ao conservadorismo. “Exploro questões de gênero, mas vou além. Uso a anormalidade como desvio de padrão de forma positiva. Transpop é a forma do pop com o conteúdo do punk. Falo contra as ditaduras, a opressão, a imposição de um padrão específico de comportamento”, afirma o cantor.

Natural de Salerno, na Itália, Romanelli é radicado há 20 anos no Brasil. Morou na Bahia e em São Paulo antes de se mudar para Florianópolis, onde reside há dez anos. Desde criança fez aulas de dança, teatro e canto lírico, mas de maneira informal. Já publicou cerca de 10 obras literárias, a maioria delas de poesia – e foi na poesia que ele iniciou seu trabalho com composição musical. “Em 2014 voltei a estudar canto e fui vocalista da banda de rock alternativo Vita Balera, integrada também por Cassiano Fagundes, do Cassim & Barbária. Foi ele quem me incentivou a seguir com o trabalho autoral”, informa o cantor.

Versátil e de mente inquieta, Romanelli trabalha claramente a quebra de padrões de gênero em seu trabalho musical com a performance e o uso de maquiagem. Entre suas principais referências estão David Bowie e bandas inglesas do punk e new wave. “Conheci o trabalho de Bowie aos 11 anos e ele mudou a minha vida”, observa.

Das nove canções de “Anomalous”, álbum autoral do cantor, cinco são em inglês, duas em italiano e duas em português. A partir deste mês, o álbum também será disponibilizado gratuitamente nas plataformas online de compartilhamento de música como Spotify, Deezer e Google Play. “Eu produzi a letra, a melodia e a harmonia de todas as músicas. Trouxe batidas bem sintéticas. Todas as canções trazem uma camada de crítica social. É um álbum conceitual contra a imposição da normalidade, contra qualquer estereótipo e limitação da liberdade”, afirma Romanelli.

Na última semana, o cantor pop também lançou o videoclipe de “Anomalous”, audiovisual dirigido e pós-produzido por Antonio Rossa que traz uma estética militar e explora de maneira evidente questões sobre o totalitarismo. “O videoclipe mostra a inversão de papéis entre o opressor e o oprimido, para trabalhar essa ideia de quebra de padronização. Não quero fazer música somente para entreter as pessoas, apenas para fazê-las dançar. Dá para dançar e pensar também”, conclui o artista.

Assista ao videoclipe “Anomalous”:


“Anomalous”, nove canções, de Romanelli.
www.romanellinow.com. Álbum físico: R$ 15. Álbum digital disponibilizado gratuitamente em Spotify, Deezer e Google Play a partir de 29 de junho.

O quê: Show Transpop com Romanelli, Billy Rezk e Jean Mafra
Quando:
26/6, 17h
Onde:
Célula Showcase, rod. João Paulo, 75, Saco Grande, Florianópolis, tel. 48 32345078
Quanto:
R$ 10

Mais conteúdo sobre

Música