Curta catarinense será exibido no maior festival de cinema negro dos EUA

Atualizado

Um curta-metragem produzido por uma chapecoense foi selecionado para participar da 28ª edição do Pan African Film Festival 2020. Dirigido por Ana Silvani, o curta “Double Blind” será exibido no evento considerado o maior e mais prestigiado festival de cinema negro dos EUA.

História do filme é contada através de um a partida de póquer – Foto: Divulgação/ND

“Double Blind” é inspirado numa história real. Conforme Silvani, um dos objetivos é aumentar a conscientização com relação ao tráfico de crianças, o perigo de deixar bebês dentro de carros quentes durante o verão e a adoção ilegal. A história tem apenas sete minutos e é contada durante uma partida de pôquer.

O roteiro foi escrito também por Silvani, com gravações realizadas na África do Sul. A obra conta com a participação dos atores sul-africanos Luthuli Dlamini e Bonnie Lee Bouman, e da atriz brasileira Laura Linn.

Leia também:

Trajetória

A trajetória da catarinense começa na Unochapecó, onde se formou em Linguística e Literatura na Unochapecó. No ano de 2006, Ana mudou-se para a Califórnia para estudar cinema no Santa Monica College. Lá também cursou Entretenimento (roteiro, direção e produção) na UCLA, ambas em Los Angeles.

Em 2014, trabalhou como produtora no longa Brasil Meu Amor e quatro anos mais tarde, em 2018, escreveu e coproduziu o curta Double Blind. Atualmente, Ana trabalha como freelancer na One Word Media.

Entre os seus trabalhos em desenvolvimento estão o roteiro do curta Happy Hour; o projeto, roteiro e produção do documentário Pya; e o roteiro e produção do longa-metragem de suspense para a Toby Estúdios (numa parceria Brasil e Estados Unidos).

Festival

O Pan African Film Festival 2020 começou nesta terça-feira (11), e segue até o dia 23 de fevereiro, no Cinemark de Baldwin Hill, em Los Angeles. A obra estará competindo na categoria de Curtas e será exibida na próxima terça-feira (18) e na sexta-feira (21).

O objetivo da mostra é fomentar a tolerância racial e mostrar a diversidade artística das pessoas com descendência africana.

Mais conteúdo sobre

Cinema