Empresária de Florianópolis cria brechó virtual para oferecer preciosidades em bolsas

Um hobby que virou negócio. Assim começa a história do brechó online Renovando o Luxo, criação de Kamilla Agacci Boing, 30 anos. Natural de Florianópolis e apaixonada pela moda de alto luxo, a empresária costumava comprar bastante até se deparar com o conceito do consumo consciente.

Kamilla Agacci Boing, criadora do brechó online Renovando o Luxo – Flavio Tin/ND

“Eu comprava muito, aí enjoava e acabava doando as peças para minha mãe ou irmã. Até que um dia fiz compras em um perfil de Instagram que pratica o consumo consciente e incentiva o ‘desapego’ e gostei muito. Então, criei um perfil nessa rede social e coloquei 20 itens pessoais à venda. Para minha surpresa, vendi tudo em menos de um mês”, conta.

Quase sem querer, ela entrou para um mercado que vem crescendo bastante nos últimos anos e ultrapassou o limite das lojas físicas, ganhando novo impulso com a difusão e venda pelas redes sociais. E o Instagram é o ambiente preferido tanto como meio de divulgação quanto como canal de vendas.

Através da reutilização de artigos de luxo, as pessoas continuam consumindo produtos exclusivos, mas sem desperdício e com mais economia. Kamilla conta que um item pode sair até 70% mais barato no brechó do que nas lojas oficiais das marcas famosas. Uma bolsa Hermès, por exemplo, que chega a custar R$ 70 mil na loja, sai por R$ 55 mil no brechó online.

Depois de vender as primeiras peças, não demorou muito para que ela criasse o brechó virtual. “Fiz alguns cursos, visitei lojas e aprendi a diferenciar peças originais de falsificadas ou réplicas. Em 2014, criei a loja online no Instagram, com as vendas pelo Mercado Livre e sem opção de parcelamento”.

Bolsa Hermès Kelly 28cm custa R$ 55 mil e é atualmente a peça mais cara do brechó – Flavio Tin/ND

Crescimento acelerado

Apesar disso, as vendas só aumentaram e dois anos mais tarde, Kamilla resolveu transformar a atividade em um negócio formal, registrando-se como MEI (microeemprendedora individual). “Também criei uma conta no Paypal para dar mais segurança, praticidade e opções de parcelamento às clientes”, revela.

Em 2018, o negócio cresceu tanto que ela mudou para ME (microempresa). “Sempre dei atenção especial às clientes, respondendo todas as mensagens e me preocupando em garantir a entrega no tempo correto, com rastreamento das mercadorias”, afirma.

Chanel média na cor preta é um must have da plataforma – Flavio Tin/ND

Muitas clientes viraram fornecedoras e isso fomenta a economia criativa. Praticando o ‘desapego’ de peças que não querem mais, elas ajudam a movimentar o segmento de second hand. “As peças passam por inspeção e explico as condições e porque não aceitamos o produto, caso isso aconteça. Em geral, 70% do valor da venda é repassado para o fornecedor, mas não é uma regra inflexível”, diz Kamilla.

Atualmente, ela vende de sete a dez peças por dia, com entrega via correios para o Brasil ou exterior. O giro de mercadorias é rápido e atinge, principalmente o público sediado em São Paulo. “O mercado está crescendo em Florianópolis, mas aqui ainda há um certo preconceito com artigos de segunda mão, o que já é corriqueiro, por exemplo, nos Estados Unidos”, afirma a empreendedora.

Com mais de 42 mil seguidores no Instagram, sempre tem clientela nova, mas Kamilla também tem seu público fiel. Com o sucesso das vendas, ela criou um grupo no Whatsapp que recebe as novidades em primeira mão. “Tem artigos que nem chego a anunciar no Instagram porque já são vendidos no grupo”.

Aproveitando o momento

Quando há várias interessadas em um mesmo item, a prioridade é de quem pediu primeiro. Porém, caso o pedido tenha sido feito no grupo, Kamilla cria uma lista de espera. Algumas vezes há mais de uma peça do mesmo modelo, sendo possível atender várias pessoas interessadas naquele item.

Ela também contratou duas pessoas que são responsáveis por receber os produtos, higienizá-los, fotografar e publicar na rede social, além de despachar pelos correios. “Mas o contato com as clientes e as vendas sou eu quem faço, porque as próprias clientes pedem para que eu as atenda”, diz Kamilla.

Perfil do brechó tem mais de 42 mil seguidores no Instagram – Flavio Tin/ND

Isso faz com que sua jornada de trabalho avance até a madrugada e inclua os finais de semana. “Quando as pessoas chegam do trabalho e nos fins de semana aumentam o movimento e os pedidos no Renovando o Luxo. Não é incomum que eu vá dormir por volta das 3h da manhã, mas tenho que aproveitar o momento em que as pessoas demonstram vontade de comprar”, conta.

“Quando comecei, estudava Direito, mas não tinha certeza de que era aquilo que eu queria. Já pensei em atuar na área, mas amo esse trabalho no brechó”, diz. Para relaxar, ela costuma viajar sempre que possível.

Originalidade e novos rumos

Para garantir a fidelização, a empreendedora aposta não só na venda personalizada, com atenção individual, como na garantia de originalidade das peças e no rastreamento da entrega.

“Não vendemos réplicas nem falsificações. Além de passar pela perícia física da nossa equipe, as peças também são autenticadas pela Real Authentication [empresa americana especializada em autenticação de peças de luxo]”, explica.

Sapatos são aceitos caso estejam em perfeito estado ou novos. Modelo Gucci Angel – Flavio Tin/ND

Também há o cuidado de não oferecer peças com marcas ou mau cheiro. E não há roupas no portfólio. “As pessoas ainda preferem provar, tem muita devolução porque às vezes o caimento não ficou bom, então a cartela do Renovando o Luxo é focada em bolsas, sapatos e acessórios, e alguns itens são novos sem nenhum uso”, afirma Kamilla.

As peças-desejo são as bolsas Chanel e Louis Vuitton, que sempre são vendidas muito rápido. A preferida é a Chanel clássica, tamanho médio, na cor preta, que sai por volta de R$ 17 mil (na loja, pode chegar a R$ 30 mil).

A entrega é acompanhada pelo rastreamento dos correios e há garantia de devolução, conforme previsto no código de defesa do consumidor, de sete dias corridos a contar do recebimento do produto, com reembolso.

O sucesso no ambiente virtual motiva a empreendedora a investir no negócio. Ela criou um site, está renovando a logomarca e já pensa em abrir uma loja física no ano que vem. “Ainda estamos procurando o local mais adequado, mas deve ser na região central de Florianópolis”, diz.

Além disso, ela também estuda ampliar o leque de produtos, trazendo confecções e itens masculinos.

Serviço
O quê: Brechó online Renovando o Luxo
Instagram: https://www.instagram.com/renovando_oluxo
Site: https://www.renovandooluxo.com

Mais conteúdo sobre

Inspira!