“Pensei, Disse e Escrevi” traz memórias do médico Henrique Prisco Paraíso

Sétimo livro do médico cirurgião Henrique Manoel Prisco Paraíso, “Pensei, Disse e Escrevi” reúne discursos, palestras, intervenções políticas, comentários e aforismos publicados pelo autor durante a atividade profissional iniciada na década de 1950. Os textos possibilitam ao leitor conhecer um pouco sobre a trajetória do autor, um dos três fundadores da Faculdade de Medicina e ex-secretário de Estado da Saúde do governo Colombo Machado Salles.

Aos 92 anos, médico, professor e escritor transforma suas anotações em livro – Foto: Gabriel Lain/ND

Henrique Manoel Prisco Paraíso nasceu em Salvador, na Bahia, e passou pelo Rio de Janeiro, antes de desembarcar em Santa Catarina, em 1954, e se encantar pela beleza da tijucana Nadyr Galotti, então com 24 anos. Na Capital, trabalhou como médico cirurgião nos hospitais de Caridade e Celso Ramos e na Casa de Saúde São Sebastião, e integrou a comissão organizadora da Faculdade de Medicina de Santa Catarina.

Professor titular de técnica operatória e coordenador do curso de medicina, Henrique também exerceu a presidência da ACM (Associação Catarinense de Medicina), e assumiu o cargo de secretário Estadual de Saúde, do governo Colombo Machados Salles, entre 1971 a 1975. Os textos reunidos no livro são fragmentos da ativa participação de Henrique nas mais diversas frentes de trabalho, como destaca o jornalista e filho, José Claudio Prisco Paraíso, na apresentação da obra.

O prefácio, escrito pelo neto e parceiro literário, Rodrigo Meyer Prisco Paraíso, também revela que a obra completa uma tríade temática, formada pela arte (literatura), família e medicina (prática médica e política pública). O autor só começou a escrever após a aposentadoria, com livros de narrativas, contos e poemas e de genealogia, até lançar essa coletânea. “É um livro familiar, feito para os amigos e familiares consultarem quando quiserem rememorar algo da trajetória”, explica Henrique, 92 anos, que sempre teve cuidado de guardar anotações e textos para aproveitamento futuro.

Além de discursos, textos científicos, palestras e homenagens, a obra também lista frases marcantes de personalidades que ficaram guardadas na memória do autor graças ao um antigo hábito de anotar tudo o que acha interessante.  “Até hoje anoto tudo, mas estou me inserindo no meio digital com o Ipad”, afirma o escritor, de 92 anos.

Literatura