Projeto “Aqui podia ter poesia” junta intervenção urbana, arte e poesia

Rosane Lima/ND

Thiago e Rafaela estudam e se dedicam ao projeto por inquietude e vontade de fazer algo juntos

Rafaela Vieira é designer. Thiago Funk estuda medicina, mas gosta de escrever. O casal de 23 anos se conheceu em 2009 e agora encontrou uma forma de juntar o que os dois gostam de fazer. Há seis meses eles criaram o projeto “Aqui podia ter poesia”, que propõe intervenções urbanas, mantém uma página com doses diárias de poesia no Facebook e tem uma exposição agendada para o dia 17 de julho, no Arte Bar De Grau em Grau.

“Nós temos a visão de que hoje o mundo é muito visual. A poesia perde espaço porque é uma coisa muito crua: palavras”, diz Thiago, o poeta do casal. O know-how em deixar as coisas mais atrativas visualmente, que Rafaela traz do design, cria uma porta de entrada para o conteúdo da poesia. Um exemplo são os poemas publicados na página do Facebook, vindos de contribuições espontâneas, que são compartilhados em forma de imagens coloridas.

A primeira ação do casal foi espalhar um cartaz com os dizeres “Aqui podia ter poesia” e o site do projeto pela cidade. A partir daí eles já começaram a ter interação com as pessoas, que lhes mandavam fotos – em um banco da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), colaram poemas junto ao cartaz; em outros lugares tiravam o cartaz e colocavam um poema no local. A resposta foi muito bem-vinda, e o cartaz é mais um chamado de atenção. “A poesia não é só o poema em si. Aqui podia ter arte, e muitas vezes tem, é a gente que não vê”, diz Thiago.

Desde então, Rafaela e Thiago têm feito participações em eventos também. O primeiro foi um happy hour do curso de jornalismo da UFSC. Eles colocaram um grande papel pardo na parede com o título “Mural de poesia livre”, canetas ao lado e muito espaço em branco. Sem saber como seria a reação das pessoas, eles foram a um bar e quando voltaram encontraram o espaço todo preenchido. Depois disso já fizeram o mural em outros eventos, como o Sarau Legal, do grupo Palavreado, e fizeram ações especiais como uma árvore de origamis para uma atividade do curso de cinema da UFSC.

Poemas fotografados

A principal ação do projeto até agora foi o concurso de poesia que realizaram no mês passado. Eles receberam cerca de 200 poemas de 100 autores “anônimos”, como os denominam. “Tem muito material de qualidade que está escondido porque as pessoas não têm onde divulgar”, diz Rafaela. Embora os blogs sejam uma boa maneira de compartilhar, eles nêm sempre têm tanta visibilidade.

Rafaela e Thiago fizeram a seleção e ficaram com 16 autores que farão parte da exposição que acontece no dia 17, com música ao vivo e discotecagem. Junto a cada poema, será exposta uma fotografia produzida por Rafaela para dialogar com o texto. As imagens serão uma surpresa, inclusive para os autores dos poemas.

Depois da exposição, a ideia é se focar em uma intervenção maior, que chame a atenção de quem está na rua para a poesia que se encontra ao seu redor. Com o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) de Rafaela em andamento e Thiago na pressão do curso de medicina, as coisas têm que caminhar de acordo com o tempo livre dos dois. Mas até agora, com contribuições sendo enviadas todos os dias para sua página, eles já sabem que tem muita gente querendo mostrar sua poesia. “Vemos a necessidade que as pessoas têm de se expressar”, diz Rafaela.

Onde tem poesia?

www.facebook.com/Aquipodiaterpoesia

www.aquipodiaterpoesia.com

 

Serviço

O quê: Exposição “Poeticagem – exposição de poetas anônimos”

Quando: 17/7, 19h30

Onde: Arte Bar De Grau em Grau, rua João Pacheco da Costa, 595, Lagoa da Conceição, Florianópolis, tel. 3232-3272

Quanto: R$ 5

Mais conteúdo sobre

Entretenimento