Vídeo de casamento: o que avaliar antes de contratar este serviço?

Atualizado

Os videomakers, profissionais responsáveis por esse trabalho, buscam ter um olhar apurado para que cada detalhe do casamento não passe despercebido pelas lentes – Foto: Divulgação/Pixabay

Não faz muito tempo, os vídeos de casamentos eram um dos motivos que reunia a família em casa para assistir uma, duas ou até mais vezes as gravações feitas em fita cassete ou até, os mais recentes, em DVD. Mas como tudo muda e o mundo do casamento está atento a essas mudanças, as filmagens de hoje já não são tão longas e resumem, em média, 20 minutos de tudo o que aconteceu antes, durante e depois da festa. O que antes unia no real, hoje é no mundo virtual que as filmagens ganham força e interações nas redes sociais. 

O que a foto consegue ‘congelar’ um momento em fotografia, o vídeo traduz as emoções em movimento. Os videomakers, profissionais responsáveis por esse trabalho, buscam ter um olhar apurado para que cada detalhe do casamento não passe despercebido pelas lentes. O interessante, antes mesmo de começar essa busca, é o casal saber o que eles querem contar em vídeo e qual seria o cenário ideal para isso, já que toda essa produção pode começar ainda no pré wedding (pré-matrimônio, em tradução literal).

Diante dessa escolha e na definição do profissional, é importante estar em contrato o tempo do cinegrafista no casamento para que possa ficar registrado em vídeo todos os principais acontecimentos da festa. São meses e meses planejando a fio este dia e, quem contrata este serviço, é porque tem em mente de rever todos os momentos quando tudo passar. 

Na hora de conversar com os videomakers, atente-se a todo o portofólio de serviço, as câmeras usadas (inclusive, baterias reservas… ninguém quer ficar na mão, não é mesmo?!) e quantas pessoas participam do evento. É importante entender todo o processo de entrega do profissional contratado e deixar tudo o que você quer que fique registrado: convidados, bolo, decoração, enfim, todos os detalhes. Afinal de contas, vai ser a memória afetiva e mais contada em vídeo ao longo dos anos. 

Mais conteúdo sobre

CaseBem