Conteúdo por Gazeta Esportiva

20 anos depois, Cebolinha tenta repetir trajetória de Ronaldinho

“Olha o que ele fez, olha o que ele fez, olha o que ele fez!”. A narração dá a dimensão do que foi a Copa América de 1999 para Ronaldinho Gaúcho. Então no Grêmio, o meia marcou um golaço contra a Venezuela, na estreia do Brasil naquela competição, e mostrou suas credenciais ao mundo.

Depois daquele 7 a 0, a seleção de Vanderlei Luxemburgo venceu todos seus cinco jogos pelo torneio internacional e, sem dificuldades, levantou seu sexto título da disputa, o segundo consecutivo.

Já Ronaldinho deslanchou de vez. Depois daquela Copa América, o meia cravou lugar na Seleção pelos anos seguintes. Em 2001, foi negociado de maneira polêmica para o Paris Saint-Germain, mas obteve, na Europa, o sucesso que se esperava de seu talento.

20 anos depois, outro gremista tenta seguir os passos de sucesso de Ronaldinho Gaúcho, tanto no Brasil quanto em sua carreira profissional. Trata-se de Everton Cebolinha, que ganhou um lugar entre os titulares após ser reserva do substituto de Neymar.

Com a lesão do grande craque da Seleção Brasileira, David Neres entrou no onze titular, mas o atacante do Grêmio aos poucos foi ganhando espaço. Agora, com espaço consolidado, Everton é a grande esperança de gols e dribles do Brasil contra a Argentina.

O Grêmio conta com a valorização de Cebolinha, após a Copa América, para aguardar propostas do futebol europeu. O capítulo que resta a ser escrito da relação entre Everton e Ronaldinho é, justamente, sobre o sucesso no Velho Continente.

Copa América