Aos 11 anos, triatleta de Florianópolis é a principal promessa do esporte no Brasil

Igor Bertoli Meira é considerado diferenciado pelos treinadores devido ao ímpeto forte de treinamento

No final do século passado, uma marca de produtos de limpeza se propagou País a fora em função de uma campanha sobre uma esponja de aço, descrevendo-a em seu slogan: “mil e uma utilidades”. Igor Bertoli Meira tem 11 anos e, guardadas as devidas e necessárias proporções, transcende como a maior promessa brasileira no triatlo.

A relação com a esponja de aço que fez sucesso em terras brasileiras é autoexplicativa. Igor é uma fonte de energia e persistência: corre, pedala e nada. Divide o tempo entre escola, curso de inglês, se aventura em um instrumento musical – toca baixo – além da cozinha, tudo isso, disponibilizado em “pitadas” no seu perfil oficial no Instagram, que soma pouco mais de 5,5 mil seguidores. Essa polivalência corroborou sua descoberta e promete, de alguma forma, deixá-lo em evidência.

Igor Bertoli Meira treina natação no clube Paula Ramos, na Capital - Marco Santiago
Igor Bertoli Meira treina natação no clube Paula Ramos, na Capital – Marco Santiago

“Eu praticava futebol, mas decidi que não gostava mais do futebol. Parei com ele e pensei que deveria fazer uma atividade física, pensei em correr e passei a ir direto com meu irmão – Vitor Bertoli Meira, 14 anos – na Beira-Mar para correr”, confessou o jovem Igor.

O pai, Marcelo Henrique Meira, 46, microempresário, revelou que o pontapé foi dado depois que Igor visitou uma escolinha de triatlo em São José. Ele, no entanto, confessa que jamais imaginou que o filho pudesse entrar de cabeça na modalidade.

“Nunca passou pela minha cabeça. A gente deu o incentivo e ele acabou indo atrás. Eu não imaginava, é uma surpresa, um orgulho. A gente arruma aquela vontade, aquela motivação para fazer essa correria”, contou, com bom humor, que a soma das rotinas profissional e dos filhos “às vezes é cansativa”.

O cartel de Igor, aos 11 anos, é digno de uma promessa. O jovem soma 27 provas realizadas, 18 delas conquistadas. O mais nobre dos títulos veio recentemente já que Igor Bertoli é o atual campeão brasileiro de Triathlon Infantil – 11 anos.

A determinação de uma joia

As pessoas que cercam o jovem Igor são unânimes: trata-se de uma pessoa diferente e, mais que isso, um atleta nato. Além do prazer em treinar, Igor alia muita disciplina e, é claro, resultado.  “A gente consegue ver nos olhar dele que ele quer aquilo. Ele vê filme, ele vê vídeos, ele lê livros. Se ele não tá treinando ele está em volta”, revelou o primogênito Victor Bertoli.

Victor conta que tem uma boa relação com o irmão, que é praticante do futebol e que, inclusive, tentou levar o jovem Igor para o esporte bretão. Sem sucesso.

Em casa, Igor gosta de tocar baixo ao lado do irmão Vitor - Marco Santiago/ND
Em casa, Igor gosta de tocar baixo ao lado do irmão Vitor – Marco Santiago/ND

“Levei em futebol, levava ele em peneiras, mas não deu, ele não gostou. Ele não gosta de esporte coletivo, de ter que esperar os outros, ter que tocar a bola. Ele sempre gostou do esporte individual, por isso encaixou tão bem no triatlo”, acrescentou.

A mãe, Yara Bertoli, jura que, mesmo diante de uma agenda tão movimentada, Igor, que era “preguiçoso” na escola, após o ingresso na modalidade melhorou seu desempenho: “Antes da rotina ele não queria nada com o estudo, era preguiçoso. Depois de tudo isso não precisa nem pedir, ele mudou a disposição, ficou mais focado”, sorriu.

Um futuro campeão?

Afora todo o laço familiar de Igor, dois treinadores dele asseguram tratar-se de um atleta acima da média. Seja pela idade em que se dispõe, até mesmo pela reação dele aos resultados e, mais que isso, o prazer que demonstra ao treinar.

“Ele tem uma característica bastante curiosa que, ao contrário dos demais atletas, não precisa ser incentivado ao treino. Pelo contrário, com o Igor a gente precisa segurá-lo”, pontuou o treinador Rodrigo Baltazar, natural de São Bento do Sul e há 17 anos em Florianópolis.

“Todo mundo percebe que ele tem um desempenho acima da média. Ele gosta disso, gosta do que faz, faz com prazer e geralmente crianças têm problemas com isso”, acrescentou o mentor.

Marcos Aranha, 51, educador físico e professor de natação de Igor junto ao clube Paula Ramos, também segue a linhagem de Baltazar. Ele exalta a capacidade de Igor de treinar sempre com um sorriso no rosto e a motivação lá em cima. Ele busca um lado mais pedagógico para um jovem que ele descreve como “um futuro campeão”.

“Ele é sério, determinado, não faz corpo mole. Ele tem todas as condições de ser um atleta de rendimento e é isso que converso com ele, de que não é uma vida fácil. É preciso diálogo para que não haja a frustração. A gente não pode achar que vai ganhar sempre. É isso que busco trabalhar com ele”, ponderou.

Sobre o futuro, Igor não titubeia, ao ser questionado ele responde de bate pronto que quer ser profissional e, assim como seu ídolo e xará na modalidade, Igor Amorelli, quer vencer o Ironman Florianópolis.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Esportes

Loading...