Atuação de Jadson tem de servir de exemplo para Corinthians na quarta

“É quarta-feira! É quarta-feira!”.

Assim a torcida do Corinthians cantou logo após o apito final da vitória sobre o Paraná por 1 a 0 no último sábado na Arena. O coração do corintiano já está no confronto diante do Colo-Colo (CHI) pelas oitavas de final da Libertadores, mas o olhar pode estar voltado para o trinfo contra os paranaenses, ou mais precisamente em Jadson.

A ótima atuação do camisa 10 tem de servir de exemplo para a virada. As críticas têm sido direcionadas ao técnico Osmar Loss, mas há jogadores que estão rendendo muito abaixo do que podem e a hora de reagir é já.

Um dos mais experientes do elenco, o meia de 34 anos chamou a responsabilidade e criou a maioria das jogadas do time. Ditou o ritmo, acelerou quando preciso, brecou da mesma forma. Cobrou o escanteio para Henrique fazer o gol da vitória e colocou seus companheiros na cara do gol. É isso que se espera de alguém com tanta capacidade. O futebol do time fluiu.

Loss, é verdade, pode ter dado uma forcinha ao escalar o camisa 10 na meia atrás do centroavante, onde Jadson está acostumado a brilhar. Mas é preciso lembrar que a posição exige muito do atleta, que já não suporta tanta carga física. Precisará encontrar uma solução. O técnico já disse que Romero voltará ao ataque, provavelmente no lugar de Roger.

Enquanto isso, Clayson, Pedrinho, Douglas, Danilo Avelar. Todos podem jogar mais. Os dois pontas serão essenciais para uma possível virada. Passa por eles o jogo de profundidade, importante contra um adversário experiente e que não deve se atirar ao ataque.

Nos últimos dias, o elenco do Corinthians recebeu cobranças de algumas partes. Primeiro foi o presidente Andrés Sanchez, após a derrota de 1 a 0 para o Fluminense. No sábado, membros da Gaviões da Fiel foram ao CT e conversaram com o grupo. O tom foi ameno, com promessa de apoio, mas a ponderação de que podem render mais. Contra o Paraná, Jadson deu resposta imediata.

O seu escanteio rendeu o gol de Henrique a comemoração com todo o grupo abraçado na beira do gramado. Resta saber se na quarta a união será mantida ou o grupo deixará Loss morrer sozinho.

Mais conteúdo sobre

Esporte