Bolsonaro desiste de ir a Lima para ver final da Libertadores

O presidente Jair Bolsonaro desistiu de ir a Lima, no Peru, para acompanhar ao jogo entre Flamengo e River Plate, da Argentina, no sábado (23), às 17h (de Brasília), pela final da Copa Libertadores. A informação foi divulgada na segunda-feira pelo Palácio do Planalto.

Jair Bolsonaro vai torcer pelo Flamengo na final da Libertadores da América – Foto: Divulgacão/Paulo Alceu/ND

No último dia 6, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, disse que Bolsonaro acompanharia a partida. Torcedor do Palmeiras, o presidente visitou os jogadores da seleção brasileira sub-17, que faturou o título mundial da categoria no último domingo, e na conversa com os garotos disse que torceria pela equipe carioca neste sábado.

Leia também:

Bolsonaro já esteve em diversos jogos de futebol como presidente da República. No sábado passado, ele foi mais aplaudido do que vaiado durante o confronto entre Santos e São Paulo, no litoral paulista.

Em junho, o presidente levou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, para acompanhar a disputa entre CSA e Flamengo no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. A equipe carioca também foi prestigiada em viagem recente de Bolsonaro à Ásia. O presidente entregou um casaco da equipe ao presidente da China, Xi Jinping, após reunião bilateral no Palácio do Povo, quando disse que o rubro-negro é o “melhor time brasileiro do momento”.

No último dia 7, em transmissão nas redes sociais, Bolsonaro declarou que estava “pensando em ir para o Peru”. “Se eu for, vão dizer que estou usando avião da Força Aérea. Se tivesse algo já marcado, mas não está marcado.. acho que…”, disse o presidente, sem finalizar a frase. Na mesma transmissão, Bolsonaro afirmou que o Flamengo, neste ano, não deve ficar “só no cheirinho” e será campeão da Libertadores, em alusão às brincadeiras de rivais do rubro-negro sobre derrotas da equipe em anos anteriores.

Por causa dos protestos violentos ocorridos no Chile, a final da Libertadores foi transferida para o Estádio Monumental de Lima, no Peru. A decisão de tirar o jogo de Santiago foi tomada após reunião na sede da Conmebol, no Paraguai, com representantes dos dois clubes e das federações nacionais de Brasil, Argentina e Chile. A entidade alegou que optou por mudar o local da final “considerando a segurança dos jogadores, público e das delegações” por causa da onda de manifestações motivada pela crise política no Chile.

O Palácio do Planalto não informou o motivo de Bolsonaro desistir de acompanhar a partida deste sábado em solo peruano. Também não disse se há outra agenda prevista para o mesmo dia da final.

Futebol