Bom para quem: Parada da Copa América divide opiniões entre Avaí e Figueirense

Há quem condene, mas há quem defenda. Na verdade, mais um exemplo de que tudo na vida é uma questão de ponto de vista: em meio a parada do calendário nacional – nas séries A e B – esses 30 dias de interrupção divide opiniões. Em Florianópolis não é diferente. Avaí e Figueirense, em momentos e divisões distintas, preparam os próximos dias para, com muito trabalho, ascender na temporada.

O ano era 2010 e o período antecedia a Copa do Mundo da África do Sul, ao final vencida pela Espanha. Carlos Alberto Parreira era o treinador da seleção do país-sede, mas antes disso foi entrevistado para uma revista a despeito da interrupção que o maior evento desportivo do planeta iria acarretar no calendário nacional. O tetracampeão mundial resumiu da seguinte forma:

“Não adianta brigar com o que já está estipulado há muito tempo, é preciso tirar proveito da parada para voltar aos jogos oficiais melhor do que saiu”.

A teoria do lendário treinador faz todo o sentido e independe a maneira como Avaí e Figueirense, por exemplo, se “despediram” nessa parada para a Copa América 2019.

O Avaí vê com excelentes olhos a parada. Novos olhos, na verdade. É o período e o espaço necessário para que a nova comissão técnica, sob a batuta de Alberto Valentim, implemente os conceitos e as melhorias necessárias para que o clube deixe a lanterna da Série A 2019.

Alberto Valentim, novo técnico do Avaí – Frederico Tadeu/ND

O próprio treinador confessou que só aceitou o desafio no Sul da Ilha em função da disponibilidade de tempo para dar início ao trabalho.

No outro lado da ponte há outra percepção. Apesar de o clube celebrar o tempo para recuperar a condição física e regenerar os lesionados, há também a ponta de frustração por suspender as atividades justamente no momento em que o clube atingiu o seu melhor momento na temporada.

O que dizem os treinadores

Alberto Valentim, como adiantado, só aceitou a missão de dirigir o Avaí mediante o espaço no calendário. O técnico, inclusive, falou que todos podem ser “cobrados” por um futebol já nos moldes do que defende o técnico.

Maria, do outro lado, é defensor da linha de Carlos Alberto Parreira onde o clube precisa se adaptar a essa situação. Ele, no entanto, critica o calendário. “O calendário ideal seria que ele [o calendário] não parasse, que ele tivesse continuidade, porém com um espaçamento maior de um jogo para o outro”, pontuou.

Hemerson Maria, técnico do Figueirense – Anderson Coelho/ND

O que defende a preparação física

Alexandre Souza e Betinho Cabral, que respondem pela preparação física do Figueirense e concederam entrevista nesta semana, entendem que é importante a parada e o respectivo descanso dos atletas, mas que, ao final das contas, vai acabar onerando o desgaste lá na frente.

“O problema é que o calendário continua apertado, fizemos, 29 jogos e agora teremos 30 com um mês a menos. Não é fácil manter-se no nível físico durante seis meses em jogos com intervalos de cinco a seis dias. É complicado manter, principalmente no Brasil com distâncias longas”, pontuou Alexandre Souza.

O que diz o especialista

A reportagem do ND ainda convidou o colunista Fábio Machado para uma análise mais técnica da situação e da parada no calendário. Para o jornalista esse período de calmaria não pode ser encarado como a “salvação para nenhuma equipe, afinal a parada será para todos”.

Mas ele defende a situação de maneira bem pontual:

Sobre o Avaí: a troca de treinador na parada é de extrema importância pelo tempo que terá o profissional para conhecer o elenco, apurar as virtudes e apontar as deficiências para indicar as reposições necessárias. A volta dependendo do aproveitamento da parada pode ser indicativo de um novo campeonato para o Avaí.

O Figueirense: tem dois lados para ser avaliado, ela acontece exatamente quando o Figueirense apresentou o seu melhor futebol na competição. Torna a missão do Hemerson Maria dupla, a primeira é ajustar a equipe e encorpar com os novos contratados; e ainda manter o padrão na volta do calendário.

Futebol