Brasileiros já são maioria nas oitavas de final do Oi Hang Loose Pro Contest

Atualizado

Depois da tempestade, veio a bonança no Elétron Energy apresenta Oi Hang Loose Pro Contest. A sexta-feira amanheceu perfeita na Cacimba do Padre, com sol e tubos para os dois lados, depois de muita chuva na quinta-feira em Fernando de Noronha. Os surfistas deram um show e os tubos mais incríveis foram surfados pelos paulistas Filipe Toledo e Edgard Groggia, donos dos recordes do dia.

Filipe Toledo foi um dos destaques do dia. Foto: Smorigo/WSL

Eles são dois dos 10 brasileiros que passaram para as oitavas de final na primeira etapa do WSL Qualifying Series na América do Sul esse ano. Wiggolly Dantas já assumiu a ponta do ranking e Jadson André e Alejo Muniz seguem em busca do inédito bicampeonato em Fernando de Noronha.

O santista Edgard Groggia foi o primeiro a se destacar. Ele ganhou a maior nota num tubaço incrível surfado nas direitas da Cacimba do Padre, logo na segunda bateria. Os tubos marcaram o melhor dia de ondas da semana e muitos foram surfados em quase todos os confrontos. O primeiro a chegar mais perto da nota 8,83 recebida por Edgard Groggia, foi o havaiano Mason Ho, que também saiu de um tubo difícil em outra direita que valeu 8,57.

Essa bateria fechou a terceira fase. Em seguida, começou a batalha por vagas nas oitavas de final, com Filipe Toledo a estabelecer os novos recordes em Fernando de Noronha. Ele começou forte com notas 5,00 e 7,50 nas primeiras ondas. Depois, achou um tubo espetacular nas esquerdas da Cacimba do Padre, sendo o primeiro a ganhar uma nota acima de 9,00. A média ficou em 9,07 para aumentar o seu próprio recorde de pontos para 16,57 de 20 possíveis.

Edgard Groggia. Foto: Smorigo/ND 

Weslley Dantas também surfou bem, somando notas 7,83 e 7,00 para completar uma dobradinha ubatubense com Filipe Toledo, sobre o também paulista Robson Santos. “Agora sim a Cacimba realmente apareceu com altos tubos e deu pra se divertir bastante”, disse Filipe Toledo. “Eu consegui achar aquele tubo muito bom ali no meio da bateria e é isso. Estou fazendo o que eu mais amo, feliz da vida, só aproveitando o máximo e agora é recuperar as energias, curtir um pouco desse paraíso aqui, dar um role, se alimentar bem e focar para amanhã (sábado). Agora começam as baterias homem a homem e aí o bicho pega”.

MELHOR TUBO DO ANO

A Cacimba do Padre seguiu com altas ondas e, no confronto seguinte, Edgard Groggia achou outro tubaço. Ele conseguiu entrar na onda com um drop atrasado muito difícil, sumiu lá dentro e ressurgiu com os braços para cima, a vibrar com outro momento incrível vivido em sua estreia no Circuito Mundial. Essa é a primeira etapa do WSL Qualifying Series que ele participa e um dos cinco juízes chegou a dar nota 10. Os outros não e a média ficou em 9,57, a maior do campeonato.

Com isso, derrotou Joan Duru, que estava na elite do CT até o ano passado, mas o francês passou para as oitavas de final em segundo lugar ao despachar outro paulista, Marcos Correa. “A onda foi incrível, tudo foi incrível ali, deu tudo certo e estou muito feliz. Acreditei nela desde que vi ela vindo atrás da laje e já decidi que era nessa que eu ia fazer um notão”, contou Edgard Groggia. “Quando dropei, foi muito difícil segurar. Se manter lá dentro foi difícil e foi difícil também segurar a baforada que me jogou pra fora do tubo. Acho que Deus me ungiu ali, me deu forças pra segurar toda a pressão lá dentro, aí consegui sair e fiquei muito feliz. Agora, me sinto mais forte pra acreditar no meu potencial e ir o mais longe possível no evento”.

Havaiano Mason Ho se sentiu em casa. Foto: Smorigo/ND 

DESTAQUE HAVAIANO

Outros tubos no critério excelente do julgamento, com notas acima de 8, foram surfados. O segundo a conseguir isso foi o big rider havaiano Mason Ho, que participa de poucas etapas do WSL Qualifying Series. Ele surfou um muito “deep” nas direitas que valeu 8,57 na última bateria da terceira fase.

O francês Maxime Huscenot, que chegou no Brasil fechando a lista dos top-10 do ranking que sobem para o CT, ganhou a briga pela última vaga para a quarta fase do vice-campeão do Oi Hang Loose Pro Contest em 2019, Yago Dora. “Está muito divertido aqui hoje e Noronha tá parecendo mais uma ilha do Havaí”, comparou Mason Ho. “As últimas ondulações lá em casa em Ehukai, estavam exatamente iguais as de hoje (sexta-feira), então acho que já vinha treinando para cá e cheguei bem preparado”. O havaiano também comentou sobre a comemoração que fez na saída do tubo: “é só uma expressão de felicidade e os brasileiros são bons nisso também. Nós gostamos de fazer isso, mas sem stress, é só diversão. Mahalo e obrigado”.

BI INÉDITO

Quem também fez grandes apresentações na sexta-feira foi o defensor do título do Elétron Energy apresenta Oi Hang Loose Pro Contest. Na sua primeira bateria do dia, o potiguar Jadson André completou um belo aéreo que valeu nota 8,00. Depois, competiu na que acabou fechando a sexta-feira, junto com o outro único surfista que pode conseguir um inédito bicampeonato em 15 anos da história do evento em Fernando de Noronha, o catarinense Alejo Muniz, campeão em 2011. Jadson pegou um belo tubo nota 7,83 nas esquerdas para vencer e Alejo passou junto com ele, eliminando o cearense Cauã Costa.

Alejo Muniz. Foto: Smorigo/WSL 

“Hoje (sexta-feira) eu competi duas baterias e está meio que se desenhando a mesma trajetória do ano passado, sendo que a primeira bateria eu passei em segundo e esse ano foi a segunda que eu passei em segundo”, lembrou Jadson André, “No ano passado, eu dei um aéreo animal no round dos 48 e esse ano também fiz um aéreo muito bacana na mesma fase. Essas coisinhas que vão ficando na mente, com as coisas acontecendo e estou acreditando no bi. Nessa última bateria, eu saí pegando várias ondas. Eu sabia que uma delas ia rodar um tubo e deu certo pra tirar uma nota excelente. Eu amo esse lugar, a energia ta igual, o equipamento ta animal, prancha mágica mesmo e amanhã será um novo dia”.

HOMEM A HOMEM

Os classificados para as oitavas de final, agora só terão duelos homem a homem na Cacimba do Padre, até a final. Os dois únicos concorrentes ao inédito bicampeonato já sabem quem irão enfrentar em seus primeiros confrontos diretos esse ano. Alejo está na quinta bateria com o paulista Samuel Pupo e Jadson entra na sexta com o jovem catarinense Leo Casal, um dos atletas da Equipe Hang Loose.

Leo Casal. Foto: Smorigo/WSL 

O outro é o pernambucano Ian Gouveia, que ainda vai disputar classificação para as oitavas de final. “As baterias homem a homem mudam um pouco a estratégia, porque é contra outro atleta, então você tem que ter cuidado, mas toda bateria é uma história”, disse Jadson André. “Às vezes você espera demais, as vezes você pega uma onda atrás da outra, então na hora mesmo que a gente vai decidir a melhor estratégia. Obviamente, a gente mentaliza o que vai fazer, mas as vezes tem que mudar tudo durante a bateria e espero que no final dê tudo certo”.

O catarinense Alejo Muniz também falou sobre a expectativa de ser o primeiro bicampeão nos tubos da Cacimba do Padre: “Eu comentei isso ontem, que já cometi muitos erros de pensar lá na frente, na final, então agora só penso em bateria por bateria, que quanto mais eu passar, vai ser melhor pro meu ranking e para o objetivo principal, que é tentar voltar para o CT. Mas, vencer aqui de novo seria um sonho”.

NOVO LÍDER DO QS

Quem também brilhou na sexta-feira foi o paulista Wiggolly Dantas. Ele estreou na temporada sendo o primeiro brasileiro a vencer o Volcom Pipe Pro nos tubos de Pipeline esse ano, que o colocou direto na vice-liderança do WSL Qualifying Series, com os 5.000 pontos conquistados no Havaí. O líder era o japonês Shun Murakami, mas Wiggolly já assumiu a ponta com a sua primeira vitória na sexta-feira. Depois, fez sua melhor apresentação para passar para as oitavas de final, surfando muito bem duas ondas que valeram 6,83 e 8,10, para fazer um dos maiores placares do dia, 14,93 pontos

“Eu estou bem focado, as pranchas estão bem encaixadas, estou surfando bem, com sorte também que é importante e foi bom o dia hoje para mim”, disse Wiggolly Dantas. “Estou me preparando bastante desde o ano passado e o mais importante é que estou surfando feliz, pegando as ondas boas, fazendo manobras fortes e vamos com tudo até a final. Esse ano estou voltando firme e forte pra me classificar para o CT de novo, porque sei que tenho potencial. Já estou liderando o ranking, então isso prova que os treinamentos estão dando resultado. Mas, estou procurando focar em bateria por bateria e vamos com tudo para as próximas”.

OITAVAS DE FINAL

Restaram apenas duas baterias da quarta fase, para definir os últimos duelos das oitavas de final. Elas ficaram para abrir o sábado, às 7h00 na Cacimba do Padre. A bateria que acabou sendo adiada é a do brasileiro Thiago Camarão, com o francês Maxime Huscenot e o costa-ricense Noe Mar McGonagle. Já as últimas vagas para as oitavas de final serão disputadas pelo atleta da Hang Loose, Ian Gouveia, o havaiano Mason Ho e o marroquino Ramzi Boukhiam.

Seis confrontos já estão formados. A batalha pela primeira vaga nas quartas de final será entre um dos favoritos ao título do Elétron Energy apresenta Oi Hang Loose Pro Contest, Filipe Toledo, com o francês Joan Duru. O recordista de nota, Edgard Groggia, entra na segunda bateria com Weslley Dantas. Na terceira, está o paulista Jessé Mendes e o havaiano Ian Gentil. Na quarta, o novo líder do QS 2020, Wiggolly Dantas, faz o segundo duelo paulista das oitavas com Renan Pulga Peres. Depois, tem Alejo Muniz contra Samuel Pupo na quinta bateria e o defensor do título em Fernando de Noronha, Jadson André, entra na sexta com Leo Casal.

ELÉTRON ENERGY APRESENTA OI HANG LOOSE PRO CONTEST:
OITAVAS DE FINAL – derrota=9º lugar (US$ 1.500 e 1.750 pts):
1ª: Filipe Toledo (BRA) x Joan Duru (FRA)
2ª: Weslley Dantas (BRA) x Edgard Groggia (BRA)
3ª: Jessé Mendes (BRA) x Ian Gentil (HAV)
4ª: Wiggolly Dantas (BRA) x Renan Peres (BRA)
5ª: Samuel Pupo (BRA) x Alejo Muniz (BRA)
6ª: Jadson André (BRA) x Leo Casal (BRA)
7ª: 1º da 7ª bateria da Quarta Fase x 2º da 8ª
8ª: 1º da 8ª bateria da Quarta Fase x 2º da 7ª

QUARTA FASE – 1º e 2º=Oitavas de Final/3º= 17.ºlugar (US$ 1.250 e 1.000 pts):
1ª: 1-Filipe Toledo (BRA)=16.57, 2-Weslley Dantas (BRA)=14.83, 3-Robson Santos (BRA)=9.94
2ª: 1-Edgard Groggia (BRA)=12.60, 2-Joan Duru (FRA)=12.33, 3-Marcos Correa (BRA)=6.53
3ª: 1-Ian Gentil (HAV)=12.33, 2-Renan Peres (BRA)=11.40, 3-Madson Costa (BRA)=10.43
4ª: 1-Wiggolly Dantas (BRA)=14.93, 2-Jessé Mendes (BRA)=13.40, 3-Charly Quivront (FRA)=13.07
5ª: 1-Samuel Pupo (BRA)=11.23, 2-Leo Casal (BRA)=11.03, 3-Lucca Mesinas (PER)=9.63
6ª: 1-Jadson André (BRA)=13.33, 2-Alejo Muniz (BRA)=10.76, 3-Cauã Costa (BRA)=8.26
———ficaram para abrir o sábado:
7ª: Maxime Huscenot (FRA), Thiago Camarão (BRA), Noe Mar McGonagle (CRI)
8ª: Ian Gouveia (BRA), Ramzi Boukhiam (MAR), Mason Ho (HAV)

TERCEIRA FASE – 3º= 25º (US$ 1.000 e 375 pts)/4º= 37º (US$ 750 e 325 pts):
Bateria que fechou a quinta-feira:
1ª: 1-Filipe Toledo (BRA), 2-Marcos Correa (BRA), 3-Junior Lagosta (BRA), 4-Santiago Muniz (ARG)
Baterias que abriram a sexta-feira:
2ª: 1-Weslley Dantas (BRA), 2-Joan Duru (FRA), 3-Luke Gordon (EUA), 4-Marco Giorgi (URU)
3ª: 1-Edgard Groggia (BRA), 2-Robson Santos (BRA), 3-Willian Cardoso (BRA), 4-Jake Marshall (EUA)
4ª: 1-Ian Gentil (HAV), 2-Charly Quivront (FRA), 3-Jhonny Corzo (MEX), 4-Luel Felipe (BRA)
5ª: 1-Madson Costa (BRA), 2-Jessé Mendes (BRA), 3-Deyvson Santos (BRA), 4-Geovane Ferreira (BRA)
6ª: 1-Wiggolly Dantas (BRA), 2-Renan Peres (BRA), 3-Miguel Tudela (PER), 4-Heitor Alves (BRA)
7ª: 1-Lucca Mesinas (PER), 2-Jadson André (BRA), 3-Alonso Correa (PER), 4-Vitor Ferreira (BRA)
8ª: 1-Leo Casal (BRA), 2-Cauã Costa (BRA), 3-Vasco Ribeiro (PRT), 4-Douglas Silva (BRA)
9ª: 1-Alejo Muniz (BRA), 2-Samuel Pupo (BRA), 3-Gatien Delahaye (FRA), 4-Nomme Mignot (FRA)
10: 1-Noe Mar McGonagle (CRI), 2-Ramzi Boukhiam (MAR), 3-Marc Lacomare (FRA), 4-Pedro Neves (BRA)
11: 1-Thiago Camarão (BRA), 2-Ian Gouveia (BRA), 3-Marco Mignot (FRA), 4-Guillermo Satt (CHL)
12: 1-Mason Ho (HAV), 2-Maxime Huscenot (FRA), 3-Luan Wood (BRA), 4-Yago Dora (BRA)

Surfe