Brasileiros são 100% na terceira fase da quarta etapa do circuito mundial na Austrália

Atualizado

 Willian Cardoso avançou para terceira fase em Margaret River. Foto: WSL/Cestari/ND

Pela segunda vez na temporada 2019, todos os treze brasileiros chegaram na terceira fase em etapas do World Surf League Championship Tour. Os que tinham ficado em último lugar na rodada inicial do Margaret River Pro, aproveitaram a segunda chance de classificação nas primeiras eliminatórias desta quarta etapa na Austrália. Silvana Lima passou em segundo lugar na primeira bateria do dia e perdeu depois para a californiana Courtney Conlogue nas oitavas de final iniciadas na sexta-feira, mas Tatiana Weston-Webb ganhou a segunda. Entre os homens, Willian Cardoso e Yago Dora passaram juntos e Caio Ibelli avançou com Kelly Slater fazendo os recordes do dia em Western Australia.

As previsões indicam que as ondas vão subir para 12-15 pés no sábado e a expectativa é de que a terceira fase aconteça em The Box, que só quebra quando o mar está grande em Margaret River. Na sexta-feira, as primeiras baterias eliminatórias rolaram em boas ondas de 4-6 pés em Main Break. A cearense Silvana Lima despachou a australiana Mia McCarthy na primeira bateria do dia, vencida pela francesa Johanne Defay.

Silvana Lima. Foto: WSL/Kelly Cestari/ND

Depois da segunda fase feminina, começou a dos homens e as meninas voltaram ao mar para disputar as oitavas de final, até a quinta bateria. Silvana Lima entrou na primeira novamente e só conseguiu surfar uma onda. Foi até melhor do que as duas computadas pela norte-americana e valeu 5,83. Courtney Conlogue somou duas para ganhar por 11,44 a 6,33 a primeira vaga para as quartas de final, deixando a cearense em nono lugar no Margaret River Pro.

Na disputa seguinte, a gaúcha Tatiana Weston-Webb despachou a recordista absoluta da primeira fase, Coco Ho, também por uma larga vantagem de 12,50 a 6,30 pontos da havaiana. Tatiana vai enfrentar Courtney Conlogue na batalha pela primeira vaga nas semifinais e a segunda será entre outra californiana, Caroline Marks, que fez os recordes do dia, e a australiana Sally Fitzgibbons. A havaiana Carissa Moore também passou para as quartas de final na bateria que fechou a sexta-feira e os outros três duelos das oitavas ficaram para abrir o próximo dia.

Yago Dora mandou esse aéreo para vencer sua bateria. Foto: WSL/Kelly Cestari/ND

BRASIL 100% – A repescagem masculina começou com um confronto 100% australiano e o mais bem colocado no ranking, Wade Carmichael, foi eliminado por Jack Robinson e Jack Freestone. Robinson estava no Chile para competir nas duas etapas seguidas do WSL Qualifying Series com status QS 3000 e cancelou sua participação no Maui and Sons Arica Pro Tour nos tubos de El Gringo, quando foi informado do convite para Margaret River, onde ele mora. Não chegou a tempo de disputar sua primeira bateria, mas aproveitou a segunda chance e será o adversário de Filipe Toledo na terceira fase.

Os brasileiros disputaram as duas últimas baterias e todos passaram. Yago Dora completou um aéreo-reverse incrível, perfeito, que valeu nota 8,33, para vencer a que tinha dois catarinenses. A briga pela segunda vaga foi intensa e Willian Cardoso massacrou sua última onda para tirar nota 7,17 e superar o português Frederico Morais por 13,77 a 13,46 pontos. Willian defende o título desta etapa de Margaret River, que no ano passado foi encerrada em Uluwatu, na Indonésia, onde conquistou sua primeira vitória em etapas do CT.

Caio Ibelli também garantiu vaga na terceira fase. Foto: Kelly Cestari/ND

No confronto seguinte, o paulista Caio Ibelli largou na frente com notas 6,33 e 7,50 nas primeiras ondas que surfou. Mas, o onze vezes campeão mundial Kelly Slater deu um show, atacando as direitas de Main Break com muita força, invertendo a direção da prancha para abrir grandes leques de água e fazer os recordes do dia, 16,50 pontos com notas 8,43 e 8,07. Caio Ibelli passou em segundo com 14,40, contra 13,93 do australiano Adrian Buchan, eliminado em último lugar no Margaret River Pro esse ano.

TERCEIRA FASE –  Caio está substituindo o contundido Adriano de Souza neste início de temporada e formou a única bateria 100% brasileira da terceira fase do Margaret River Pro, com o bicampeão mundial Gabriel Medina. Eles vão disputar a quinta vaga para as oitavas de final e essa batalha já começa com dois brasileiros abrindo a terceira fase. O potiguar Italo Ferreira está na primeira bateria com o australiano Soli Bailey e o catarinense Yago Dora na segunda com o taitiano Michel Bourez.

Logo após o duelo brasileiro, entra Willian Cardoso para defender o título do Margaret River Pro contra o renovado Kelly Slater, pelo surfe que mostrou na sexta-feira. Depois, tem duas séries de três baterias seguidas com participação brasileira, começando na oitava com Jessé Mendes contra o norte-americano Conner Coffin, antes de Filipe Toledo enfrentar o convidado australiano Jack Robinson, que é local de Margaret River. O cearense Michael Rodrigues fecha essa primeira série com o havaiano Seth Moniz.

Tatiana Weston-Webb. Foto: Matt Dunbar/ND

A outra inicia pelo potiguar Jadson André na 13ª bateria, contra o vice-campeão mundial Julian Wilson. O paranaense Peterson Crisanto entra na 14.a com o francês Joan Duru e o paulista Deivid Silva na 15.a e penúltima da terceira fase com o australiano Ryan Callinan. Quem perder nesta terceira fase, marca 1.045 pontos no ranking e recebe 14.100 dólares pelo 17.o lugar no Margaret River Pro. Os que passarem para as oitavas de final, já garantem um mínimo de 2.610 pontos e 18.000 dólares.

O Margaret River Pro está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e a primeira chamada do sábado será as 7h30 na Austrália, 20h30 da sexta-feira no Brasil.

Surfe