Conteúdo por Gazeta Esportiva

Carille fala em reforços e diz que Corinthians sente falta de jogador que resolva

Fábio Carille reconheceu o domínio do Athletico-PR nessa quinta-feira, dentro da Arena Corinthians. E para explicar a dificuldade de sua equipe tanto no empate com os paranaenses quanto em outros jogos da temporada, o treinador falou sobre uma carência que entende ser crucial para o desempenho do time.

A atitude de Fábio Carille surgiu após um jornalista lhe perguntar sobre as declarações de Mauro Boselli na véspera do confronto válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Tive o prazer de assistir. Nossa situação é maravilhosa. Falaram muito mais do que foi. O clube tentou, o Andrés já falou, da possibilidade que teve com Gabigol, Rodriguinho e Roger Guedes (na janela de transferências do início do ano). O Boselli precisa de jogador mais agudo, para que a bola chegue na área. A característica do nosso time, o Corinthians não conseguiu trazer esse jogador que jogue perto do 9. E é isso que falta pra gente hoje, jogador com mais ambição, que pisa mais área”, comentou.

“Está mostrando o que é necessário para o Corinthians ser mais forte. Situação do clube não é boa. Jogadores qualificados, com ambição, que resolvem, não são muitos. Para comprar, precisa de dinheiro”, completou.

Em cima disso, Carille reconheceu já está trabalhando para que esse jogador que ele entende que falta no elenco seja contratado para o ano que vem.

“Estamos trabalhando. Fizemos reuniões, sim. O bom é que o que eu penso a diretoria pensa da mesma forma. Isso é legal para caminhar pelo mesmo lado. 90% dos que foram contratados passaram pela mina avaliação. Precisa de alguém perto desse 9, jogador que procura gol, busca adversário. Já estamos atrás”.

Avaliação do jogo

Sobre a partida e, principalmente, o domínio do Athletico-PR nessa quinta-feira, Fábio Carille voltou a admitir a dificuldade do Corinthians contra times que primam pela posse de bola desde a saída com o goleiro.

“No começo do jogo, o Athletico dominou muito e eu, com meu auxiliar, decidimos fazer uma mudança, trazer o Vital para dentro, abrir o Love. O time conseguiu dar uma controlada no jogo, conseguiu ser melhor, não que foi superior. No segundo tempo, o time conseguiu ajustar tirando a circulação do Wellington. É time que faz o goleiro jogar, tivemos problemas de compactar quando usavam o goleiro”, concluiu.

Futebol