Conteúdo por Gazeta Esportiva

Daniel Alves prega equilíbrio mental e diz: “Não sou o salvador da pátria”

Dani Alves comentou a derrota do São Paulo sobre o Fluminense (Foto: Rubens Chiri/SPFC)

Após vencer com contundência a Chapecoense na Arena Condá, o São Paulo teve uma atuação apática nesta quinta-feira, foi superado pelo Fluminense em pleno Morumbi e, de quebra, perdeu a última vaga do G4 do Campeonato Brasileiro para o Grêmio.

Diante de resultados tão discrepantes em uma semana, Daniel Alves admitiu a oscilação da equipe na competição, mas enfatizou que não vai parar de tentar e ensaiou até um desabafo.

“A gente sempre busca ser uma equipe equilibrada. Isso é o que vai te levar aos objetivos. Temos que saber que somos uma equipe que tem oscilado muito, sobretudo no mental. São coisas que precisamos melhorar. Temos que ter controle sobre si para não gerar instabilidade. A gente pode errar, acertar, mas não pode desistir. Vou cometer erros, vou fazer acertos, mas não vou desistir do meu objetivo aqui dentro deste clube”, disse.

O lateral-direito ainda ressaltou a necessidade de um fortalecimento psicológico do São Paulo, entendeu a cobrança da torcida, que chegou a protestar durante a partida contra o Fluminense e vaiou a equipe depois do apito final, e fez uma reflexão sobre o momento histórico do clube.

“Não sou o salvador da pátria, mas sou alguém que vai ajudar a pátria a ser melhor. Dentro dessa leitura temos que seguir forte mentalmente. Sabemos que o clube não vive um dos melhores momentos de sua história”, analisou.

“É normal que os torcedores exijam, porque o sentimento deles é o mesmo de nós jogadores, de querer que o clube crie uma estabilidade, volte a representar a história. E com essa intenção que a gente vem aqui, que estamos trabalhando. Todos os dias descanso muito bem porque eu dou o meu melhor, seja nos treinamentos ou nos jogos. Não vou desistir da missão que vim buscar nesse clube”, completou.

Mais Esportes