Conteúdo por Gazeta Esportiva

Diniz herda solidez defensiva de Cuca, mas precisa tornar São Paulo mais criativo

O técnico Fernando Diniz vem provando que Cuca deixou uma importante herança defensiva no São Paulo. Após a saída do antigo treinador, o Tricolor se manteve muito bem postado na marcação e vem se mantendo como a segunda melhor defesa do Campeonato Brasileiro. Agora, o principal desafio do novo comandante é fazer justamente o que seu antecessor não conseguiu: tornar a equipe mais criativa.

Em 24 jogos disputados no Campeonato Brasileiro, o São Paulo sofreu apenas 16 gols. Apenas o Corinthians foi vazado menos vezes que o Tricolor na competição (13). O bom desempenho defensivo faz com que o clube do Morumbi, mesmo instável na temporada, figure no G6, grupo que garante vaga à Copa Libertadores de 2020.

Por outro lado, o São Paulo tem um desempenho aquém das expectativas no ataque. O Fluminense, que briga contra o rebaixamento, marcou os mesmos 25 gols que o Tricolor paulista no Brasileirão. Outros clubes que aparecem abaixo da equipe de Fernando Diniz na tabela, como Fortaleza, Grêmio, Bahia e Athletico-PR balançaram as redes mais vezes.

Na última quarta-feira, contra o Bahia, o São Paulo mais uma vez não conseguiu furar o bloqueio adversário. Em quatro duelos com o Esquadrão de Aço, o Tricolor não marcou um mísero gol, situação que exemplifica a dificuldade da equipe quando é preciso criar jogadas de perigo. A situação fica ainda mais complicada quando Antony e Daniel Alves não estão à disposição, o que aconteceu na última rodada, já que foram convocados pelas seleções brasileiras olímpica e principal, respectivamente.

“São dois jogadores muito importantes, o Antony é muito difícil de repor, e o Daniel Alves é a referência do São Paulo. Tivemos que treinar mais por conta das convocações e da ausência do Arboleda. Temos que trabalhar e enxergar tudo o que está acontecendo de uma maneira complexa e sistêmica, como é o futebol”, disse Diniz.

Futebol