Conteúdo por Gazeta Esportiva

Entenda como funcionará o desafio por vídeo na NBA

Atualizado

A partir da próxima temporada, por aprovação unânime do conselho da liga, a NBA terá desafio por vídeo. Semelhante ao que acontece no vôlei, a nova regra permitirá que os técnicos peçam revisão de marcações da arbitragem em replay instantâneo.

A medida vinha sendo testada nas duas últimas temporadas na G League, a competição de base da NBA, e está sendo utilizada na NBA Summer League. A adoção na liga principal será, a princípio, por uma temporada de teste. Até a temporada 2018-19, apenas a central de replay poderia solicitar a revisão de marcações e apenas em determinados momentos do jogo.

Presidente de Operações da NBA, Byron Spruell explicou o motivo da implementação do desafio. “Essa iniciativa visa fortalecer nossa arbitragem e ajudar os árbitros a realizarem as marcações corretas. Dar voz aos técnicos vai aumentar a confiança no nosso processo de replay e adicionar um elemento emocionante ao jogo”, disse o dirigente.

Entenda o funcionamento do desafio na NBA

– Cada time tem direito a um desafio por jogo, independente de seu resultado.

– Podem ser desafiadas as seguintes marcações: falta pessoal, fora de quadra, bloqueio ilegal e interferência na cesta.

– O time pode usar seu desafio de falta pessoal em qualquer momento do jogo. Nos últimos dois minutos do quarto período ou da prorrogação, uma marcação de fora de quadra, bloqueio ilegal e interferência não será desafiável. Em vez disso, será revisada a critério dos árbitros de quadra.

– Para iniciar um desafio, o time deve imediatamente pedir tempo e o técnico deve imediatamente sinalizar o pedido de desafio.

– Se um time pedir desafio sem tempos restantes, a arbitragem marcará um tempo em excesso e, consequentemente, uma falta técnica. Nesse caso, não haverá o desafio.

– Se um time pedir desafio em uma marcação que não pode ser revisada, o time perderá um tempo, mas manterá o desafio.

– Para uma marcação ser revertida, é necessário que haja evidência visual clara e conclusiva de que a marcação foi incorreta.

– Nos primeiros 46 minutos de jogo e primeiros três minutos da prorrogação, a central de replay poderá solicitar uma revisão para verificar se um arremesso foi de dois ou três pontos, ou em caso de violação do cronômetro.

Mais Esportes