Equipes da F-1 vão produzir respiradores para ajudar no combate ao coronavírus

Atualizado

O governo britânico confirmou nesta sexta-feira (27) que sete equipes da Fórmula 1 vão usar sua estrutura e tecnologia para atuar na produção e entrega de respiradores para ajudar no atendimento aos pacientes do novo coronavírus.

O alemão foi campeão de Fórmula 1 em 1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004. Schumacher esteve na Fórmula 1 de 1991 a 2006 e, depois, de 2010 a 2012. – Foto: Reprodução/R7

O chamado “Projeto Pitlane” será formado por Mercedes, Red Bull, McLaren, Racing Point, Renault, Haas e Williams, todas com sedes ou fábricas em solo britânico.

As conversas entre os times e a cúpula do governo nacional teve início há duas semanas, mas o acordo de colaboração da F-1 só foi formalizado agora.

“O foco do Projeto Pitlane agora será em coordenar e responder aos desafios de metas que foram traçados. Os sete times permanecem prontos para apoiar em outras áreas que necessitam de tecnologias rápidas e inovadoras para os desafios únicos impostos pela pandemia de covid-19”, anunciou a F-1, em comunicado oficial.

Segundo a direção da categoria, os sete times vão trabalhar juntos em apoio à indústria britânica. As equipes vão atuar na engenharia reversa de aparelhos médicos já existentes, apoiar na produção em escala de ventiladores, como parte do consórcio “VentilatorChallengeUK, e auxiliar no desenho e projeto de um novo aparelho para produção de novos ventiladores.

“Em cada instância do trabalho, o projeto vai unir os recursos e capacidades dos seus membros para obter melhores resultados, focando nas habilidades que são o cerne da indústria da F-1: design rápido, manufatura de protótipos, testes e a união de profissionais habilidosos”, anunciou a categoria.

Mais conteúdo sobre

Mais Esportes